Estado vive pior semana de contágio; Piracicaba tem 30 casos

Ônibus do transporte público passa por desinfecção. (Foto: Amanda Vieira/JP)

O Estado de São Paulo registrou, nesta semana, o maior número de mortes pelo coronavírus. Ontem, eram 928 óbitos, com 320 novas mortes desde segunda-feira – uma a cada meia hora, em média. Desde anteontem, foram 75 vítimas fatais da Covid-19.

Também há 5,7 mil pessoas internadas em hospitais (confirmados e suspeitos), sendo 3.465 em leitos de enfermaria e 2.275 em leitos de UTI (Unidade Terapia Intensiva).

Ontem, a Secretaria de Estado da Saúde registrava 2 mil internações a mais em comparação a quinze dias atrás, um aumento de 51%. Em 3 de abril, eram 3,8 mil internados, sendo 1500 em UTI e 2.343 em enfermaria. 

O número de casos confirmados da doença chega a 12.841, ou seja, 3,8 mil a mais desde segunda-feira, quando eram 8.895 confirmados.

LEIA MAIS:

Já são 215 cidades com pelo menos um caso e 88 municípios com no mínimo um óbito.


Piracicaba fecha a semana com duas mortes, 30 casos positivos, 157 suspeitos e 166 exames descartados para coronavírus.

QUARENTENA

O governador de São Paulo, João Doria, anunciou ontem a prorrogação do período de quarentena no estado até o dia 10 de maio. A medida é utilizada para evitar a propagação do vírus, diminuindo a circulação de pessoas nas ruas.

É a segunda vez que a quarentena é prorrogada em São Paulo. A prorrogação valeria até o dia 22 de abril, mas o governador decidiu renová-la até maio. A medida vale para os 645 municípios do Estado.


“Vamos ampliar a quarentena para evitar o colapso da saúde pública e também do sistema privado”, disse Doria. Durante a quarentena no estado, somente podem funcionar os serviços considerados essenciais, tais como os de logística, alimentação, saúde e segurança pública.

RECORDE
O Brasil bateu novo recorde de mortes em um dia, com 217, e chegou a 2.141 óbitos em razão de infeção pelo novo coronavírus. Já os casos confirmados nas últimas 24 horas também foram recorde, com 3.257, contabilizando o total de 33.682.

A atualização foi divulgada pelo Ministério da Saúde na plataforma oficial do governo, que totaliza as estatísticas sobre a doença.

O número de mortes marcou um aumento de 11% em relação a anteontem, quando foram registradas 1.924 vítimas da covid-19. Já os casos confirmados representaram um crescimento de 10% sobre os dados de quinta-feira, quando foram contabilizadas 30.425 pessoas infectadas.

Mães de funcionários da Santa Casa costuram 10 mil máscaras. (Foto: Fernanda Moraes/JP)

MÃES E MÃOS
A saúde de Piracicaba ganhou um reforço no estoque de máscaras para os funcionários do setor. Mães de funcionárias da Santa Casa de Piracicaba aderiram à campanha “Mães e Mãos que Ajudam” e, juntas,  estão confeccionando 10 mil máscaras e gorros para serem utilizados por funcionários do Hospital.

A iniciativa, fruto do olhar atencioso e do comprometimento da enfermeira Gisele Vilarinho, coordenadora da CME (Central de Materiais Esterilizados), começou a ganhar forma quando ela propôs a reutilização do SMS (abreviação de Spunbonded Meltblown e Spunbonded), constituído 100% de polipropileno e utilizado para embalar material estéril.

“Observei que o material, descartado até então, poderia ter outras utilidades, devido à barreira microbiológica que ele oferece”, disse Gisele revelando que a partir daí, surgiu a ideia de confeccionar gorros e máscaras hospitalares, em conformidade com a norma técnica NBR 15052.

Ela revela que tudo começou em 2019, quando a proposta inicial era reutilizar o material para a confecção de travesseiros e  sacos de dormir para moradores de rua, no inverno. “A pandemia do coronavirus, entretanto, alterou os planos e submetemos a proposta de confecção de máscaras e gorros à análise do SCIH (Serviço de Controle de Infecção Hospitalar) e do Sesmt (Serviço Especializado de Segurança e Medicina do Trabalho), que aprovaram a iniciativa e os modelos confeccionados”, contou Gisele.

Segundo ela, as máscaras estão sendo confeccionadas conforme recente orientação do Ministério da Saúde, devido à dificuldade de obtenção de máscaras no mercado. “Depois de prontas, elas são esterilizadas e embaladas para distribuição aos setores, juntamente com um manual de utilização e higienização”, conta.

O engenheiro de segurança da Santa Casa, Cesar Acconci, explicou que o SMS é composto por três camadas. A primeira repelente a líquidos, como água ou sangue; a segunda com barreira contra microorganizamos; e a terceira é permeável aos  agentes esterilizantes. “O SMS fornece barreira com 99% de proteção”, informou o engenheiro, apontando o alto nível de segurança que a máscara oferece.

O coordenador do SCIH da Santa Casa, Dr. Hamilton Bonilha, por sua vez, explicou que as máscaras confeccionadas serão utilizadas apenas por funcionários de setores administrativos e de apoio.  “Médicos, enfermeiros e profissionais que mantêm contato direto com os pacientes, continuarão usando as máscaras cirúrgicas triplas descartáveis com tiras ou elástico e as máscaras N95”, revelou. 
  
MAIS MÁSCARAS
A campanha de doações de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) lançada pelos profissionais do Centro de Especialidades Odontológicas, para auxiliar os profissionais de saúde da rede pública de Piracicaba no enfrentamento da Covid 19, segue recebendo novas adesões.

Ontem, o secretário de Saúde, Pedro Mello, esteve no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (campus Piracicaba) para receber a doação de 300 máscaras de proteção para o rosto produzida com folha de acetato.

O secretário foi recebido pelo diretor geral do IFSP, Aguinaldo Lorandi, que explicou como funciona o processo de produção das máscaras. “Como temos esse recurso e material, decidimos ajudar com nossa tecnologia os profissionais de saúde no combate a pandemia”, explicou o diretor.

Segundo ele, o processo de produção é simples. “Há duas semanas iniciamos a produção das máscaras. Inicialmente, fazemos o suporte na impressora 3D. Em seguida, os shields (escudos) de acetato ou PVC semi-rígido são cortados na máquina a laser e, posteriormente, fazemos a montagem com o elástico. Um processo rápido onde conseguimos produzir de 50 a 60 máscaras por hora”, ressaltou.

Nessa primeira etapa, foram produzidas mil máscaras, que foram doadas para a Secretária Municipal de Saúde – 300 hoje e 200 serão entregues até o final do mês – e hospitais do Estado. O ato de doação foi acompanhado pela dra. Anay Ferrer, da coordenação do Departamento de Atenção Básica do município.

DOAÇÕES
Desde o inicio do mês, a Secretaria Municipal de Saúde vem recebendo doações de EPIs. Por intermédio do Cerest (Centro de Referência em Saúde do Trabalhador), por exemplo, foram doados pelas empresas NG e Friuna, 20 óculos de proteção e 200 toucas para os profissionais de saúde que atuam na UPA Vila Cristina, além de 100 máscaras PFF-2, 50 óculos, 3.000 toucas, 25 litros de álcool em gel e 25 macações.

O Rotary Piracicaba – Povoador confeccionou e fez a doação de máscaras faciais e o Sindicato dos Metalúrgicos contribuiu com a fiação de 100 unidades de protetor facial.

A Dedini doou 50 óculos e a empresa Laboratório Apsen Farmacêutica S/A fez a doação de 32 unidades de álcool em gel de 240g e 145 máscaras de proteção. Foram doados ainda 100 óculos de proteção e mais 150 máscaras cirúrgicas. O dentista dr. Emerson Sallum doou 100 máscaras PFF-2, a Receita Federal contribuiu com outras 150 máscaras cirúrgicas, Brenda de Lemos Silva, da Clínica Camila Caetano, fez a doação de 9 máscaras PFF-1. Uma empresa que não quis se identificar doou 4 máscaras transparentes (tipo de solda), produzidas com impressora 3D.

Os interessados em doar algum tipo de EPI (máscaras cirúrgicas, máscaras N-95, luvas, aventais e tocas descartáveis, óculos de proteção, máscara tipo solda e álcool em gel), pode entrar em contato pelos telefones 3433-3934 e 3433-3850.

APOIO EMERGENCIAL
Até agora, 38 milhões de pessoas já se cadastraram para recebimento do auxílio emergencial disponibilizado pelo Governo Federal.


De acordo com a Caixa Econômica Federal (CEF), o site auxilio.caixa.gov.br superou a marca de 275 milhões de visitas e a central exclusiva 111 registra mais de 32 milhões de ligações. 

O aplicativo Auxílio Emergencial Caixa já soma 45 milhões de downloads e o aplicativo Caixa Tem, para movimentação da poupança digital,  supera 11 milhões de downloads. 

A Caixa recebeu da Dataprev, o primeiro lote com as informações dos beneficiários inscritos por meio do site ou do aplicativo e que cumprem os critérios de elegibilidade de acordo com a lei.

Este público, segundo a instituição, não está no Bolsa Família ou no CadÚnico. Com essa base de dados, a Caixa vai creditar, a partir de ontem, o Auxílio Emergencial para 9,1 milhões de cidadãos, injetando cerca de R$ 5,5 bilhões na economia.  

Beto Silva

[email protected]