Exercício físico e fibromialgia: melhoria da qualidade de vida

0
65 views
Praticar exercício físico pode ser uma forma de enfrentar as dores da fibromialgia, mas é preciso cuidado | Foto: Freepik

São diversos tratamentos que podem melhorar a qualidade de vida de pessoas com fibromialgia e, entre eles, está a prática do exercício físico. Ele é considerado uma ferramenta de controle da dor não farmacológica. Mas quais exercícios podem ser praticados?


Sabe-se que não há um único tipo a ser feito, podendo dosar entre aeróbicos e de fortalecimento. O ideal é verificar as necessidades individuais, reforça a professora de educação física do Unipê (Centro Universitário de João Pessoa), Jennifer Suassuna, que trabalha com grupos especiais e pacientes com fibromialgia. A maior implicação é o cuidado com a intensidade devido à dor.


“É muito comum hoje, principalmente, que os exercícios de alta intensidade sejam difundidos, que acabam gerando aquelas dores musculares tardias”, elucida. “Esse tipo de intervenção deve ser muito cuidadoso na hora de pensar uma pessoa com fibromialgia”, frisa.


Isso não quer dizer que a pessoa não possa fazer exercícios intervalados ou musculação. “O que não deve ser estimulado nesta pessoa são as micro lesões musculares”, diz Jennifer. Se a pessoa controla a dor, não tem crise ou dor e tem boa capacidade física para a intensidade indicada, ela poderá fazer. E tudo deve ser bem dosado, porque pode haver uma contrarresposta: ela pode se sentir tão dolorida que gerará uma crise da fibromialgia.

LEIA MAIS:


Essas noções, diz Jennifer, são construídas em um processo de interação entre o professor e o aluno, com avaliações física, funcional, de movimento e anamnese. Por isso, ela ressalta que os profissionais devem se aprimorar na perspectiva da fibromialgia para saber individualizar os exercícios.


Exemplos dessa individualização são alguns casos de pessoas incapacitadas: idosos em abrigos, cujo discernimento cognitivo para funções diversas está afetado, têm que receber atividades adequadas para a realidade deles, podendo ser as mais lúdicas e leves.


“Quando a pessoa está em crise de dor, é recomendado que faça atividades muito leves para que ela não potencialize essa dor, como aulas de relaxamento, alongamento, uma caminhada leve e até uma caminhada na piscina, uma hidroterapia, hidroginástica, isso é confortável, ajuda a pessoa a lidar com aquela dor”, conta.


O cenário de pandemia mostrou que é possível realizar atividades físicas em casa e, em muitos casos, de forma remota. Mas é preciso se atentar ao fazer exercícios sem orientação profissional. “É problemático porque a pessoa pode acabar se machucando, principalmente num quadro como o de fibromialgia, e ter mais malefícios do que benefícios. Se ela não tem ajuda, mas quer fazer uma caminhada bem leve, não tem problema nenhum”, diz. “Para ser sistematizado, precisa da presença de um professor, que pode ser de uma assessoria on-line, ou nos formatos ao vivo ou presencial”, sugere.

Da Redação

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

vinte − nove =