Federação Internacional de Judô cancela torneios até o fim de abril devido ao coronavírus

Etapa de Ecaterimburgo, na Rússia, foi cancelada (Foto:Divulgação/ IJF – International Judo Federation)

A IJF (International Judo Federation, ou Federação Internacional de Judô) decidiu cancelar todos os torneios da modalidade até o final de abril, devido à epidemia do novo coronavírus (Covid-19). Entre as competições suspensas, estão o Grand Slam de Ecaterimburgo (Rússia) – que seria realizado a partir de sexta-feira (13) – e os Grand Prix de Tiblisi (Georgia) e Antália (Turquia).

A medida drástica adotada pela IJF ocorre uma semana após o cancelamento do Grand Prix de Rabat (Marrocos), também por conta do Covid-19. Para não prejudicar os atletas na reta final de qualificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, a IJF reabriu o prazo de inscrições Grand Slam de Ecaterimburgo, um dos que mais valem pontos (1.000).

A decisão do IJF de cancelar os próximos três torneios pegou de surpresa surpreendeu a delegação brasileira de judô, composta por 25 atletas, já com malas prontas para viajar à Rússia. Frente a pandemia de coronavírus e a suspensão em série de diversas competições, a difícil luta por vagas em Tóquio fica mais preocupante a cada dia.

No calendário da IJF, estão mantidos o Grand Slam de Baku (Azerbaijão), de 8 a 10 de maio, e também o Masters de Doha (Catar), de 28 a 30 de maio. A IJF define o ranking olímpico do judô no dia 30 de maio, e no dia 1º de junho a Confederação Brasileira de Judô (CBJ) anuncia os classificados.

Em Tóquio, o judô será disputado em 15 categorias, sendo sete no masculino, sete no feminino e uma categoria nas equipes mistas. No total, serão 60 medalhas na modalidade. Em 2016, o Brasil terminou com um ouro (Rafaela Silva no 57kg feminino) e dois bronzes (Rafael Silva no +100kg masculino, e Mayra Aguiar no 78kg feminino).