Fiéis relataram desafios da Semana Santa longe da igreja

Momento é de renovar a fé e a esperança (Foto: Claudinho Coradini/JP)

Uma Semana Santa sem a presença dos fiéis nas missas e procissões, no entanto, conectados com a Igreja pelas redes sociais e plataformas de streaming. Este foi o panorama dos dias que antecederam a Páscoa para a comunidade católica de Piracicaba, impossibilitada de acompanhar os ritos eucarísticos deste importante momento da fé cristã devido à quarentena imposta contra a disseminação da Covid-19 (novo coronavírus).

O padre Anselmo Cardoso Martiniano, pároco da igreja Bom Jesus, em Rio das Pedras (que pertence à Diocese de Piracicaba), afirma que a humanidade vive “um momento histórico” e, o período da Páscoa, é o “centro da liturgia, a celebração dos mistérios da fé” para os cristãos. “O restante do ano é centralizado neste evento”, destaca o religioso.

A Igreja, ressalta Martiniano, encara a pandemia com serenidade. “E sem angústia. Enfrentamos este momento como uma lição, mostra que o homem não tem domínio do tempo”, contextualiza o padre.

No último fim de semana, no Domingo de Ramos, Martiniano comenta a peculiaridade de uma missa tão simbólica, mas sem os fiéis. “Celebrei a missa apenas com as pessoas que auxiliam no altar, sem ninguém nos bancos. Entretanto, algumas pessoas apareceram após a celebração para buscar ramos. Percebi que estavam emotivos, alguns choraram. Queriam mesmo estar presente na liturgia, ao mesmo tempo que entendem a gravidade do vírus e, por isso, ficam em suas casas”.

Outro rito da Semana Santa se iniciou ontem, o Tríduo Pascal. É o conjunto de três dias celebrados no Cristianismo, composto pela Quinta-feira Santa, Sexta-feira Santa e Sábado Santo, em memória da Paixão, morte e ressurreição de Jesus. “Os fiéis, mesmo longe da igreja, acompanharão pela internet – as celebrações serão transmitidas ao vivo. Só não teve (ontem) o lava pés”, comenta o padre.

A orientação é que os católicos montem um altar em casa, como se fosse a capela ou igreja. “Para se sentirem mais próximos”, completa Martiniano. Esta também será uma Semana Santa sem procissões. “Não teremos, mesmo, os ritos do Senhor Morto, o Translado do Santíssimo e a Procissão do Encontro”.

Sandra Mara Coimbra, professora de catequese na paróquia Bom Jesus, fala em um “momento delicado”, mas também de “reflexões sobre a vida”. Para ela, a Páscoa serve para fortalecer a fé, mesmo sem participar fisicamente de alguns momentos da liturgia. “Não podemos ir à Igreja, mas somos a Igreja viva. O que podemos fazer lá, fazemos de casa, principalmente o exercício da fé, com amor e união”.

Simone Aparecida Sergio, da Paróquia Divino Pai Eterno, no Parque Piracicaba, revela que é “doloroso” passar a Semana Santa sem ir à Igreja. “Porque é um tempo muito forte, é uma semana em que nossas igrejas ficam cheias de fiéis. Olha, falo por mim, não esta sendo fácil, mas uma coisa linda que vejo diante de tudo isso é o zelo, o amor que os nossos sacerdotes estão tendo para com o povo de Deus em nos transmitir via as redes sociais as missas, querendo estar com o seu povo, dar nos ânimos.”

A quarentena também mudou a rotina religiosa de Glaziele Martiniano Santana, da paróquia uda Vila Rezende. “Mexeu na nossa vida. Estou triste por não participar pessoalmente, mas acompanho as pelo Facebook, pelo Instagram e faço terço junto”. O que ela mais senta falta, revela, é a comunhão ao lado de outros fiéis. “As lives dos padres ajudam muito, dá um conforto, sinto um conforto no meu coração”, ela destaca.

Erick Tedesco

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

2 × 2 =