Rubro-Negro busca igualar o feito da equipe de Zico e voltar ao Mundial de Clubes; argentinos buscam o penta Crédito: Nayara Halm/ FVimagem

pós um mês de ansiedade e incertezas, a final da Taça Libertadores da América será disputada hoje, às 17h, e a taça poderá parar no Brasil, mas especificamente no Rio de Janeiro. O Flamengo, virtual campeão brasileiro, enfrentará o River Plate-ARG, atual campeão da competição e que buscará seu quinto título da Libertadores, sendo o terceiro nos últimos cinco anos. O Rubro-Negro busca repetir o feito do esquadrão de Zico, campeão em 1981, e buscar o bicampeonato. A decisão estava previamente agendada para o Estádio Nacional de Santiago, no Chile, porém, em razão dos protestos que assolam o país chileno há aproximadamente um mês, a final foi transferida para o Estádio Monumental “U”, em Lima, no Peru.
O zagueiro Rodrigo Caio chegou esse ano ao Flamengo, após disputar as últimas temporadas com o São Paulo, e falou da expectativa em disputar uma final de Libertadores. “Sinto o prazer de jogar uma final muito grande. Se tem medo de perder nunca vai conquistar, penso dessa forma. É caminhar com pensamento positivo, sabendo que você se dedica. Não tenho medo de nada, tenho uma grande satisfação de fazer parte desse grupo maravilhoso, de pessoas que querem marcar o nome no clube. Não tenho porque ter medo, estamos felizes pelo momento e queremos fazer história”, disse o zagueiro.

O meio-campo Ignacio “Nacho” Fernández, do River Plate, disse que a equipe não sentirá a pressão em razão de estar acostumada a esses jogos. “A experiência neste tipo de confrontos (eliminatórios) é importante, já que o River demonstrou que gosta de jogar este tipo de partida. Nos preparamos da melhor maneira e será uma partida decisiva e espero que o título fique conosco”, disse Fernández, ressaltando a qualidade do adversário. “Eles (Flamengo) tem bons jogadores, que estão bem entrosados e estão jogando muito bem. Porém estamos atuando bem também e tentaremos mostrar nosso potencial dentro de campo”, completou.

No total, brasileiros e argentinos se enfrentaram em 14 finais, com vantagem para os hermanos, que venceram nove, contra cinco dos brasileiros. As equipes do país pentacampeão mundial que triunfaram diante dos argentinos foram o Santos (1963), Cruzeiro (1976, contra o próprio River Plate), São Paulo (1992), Corinthians (2012) e Grêmio (2017). Os títulos da Argentina sobre o Brasil foram conquistados pelo Estudiantes (1968 e 2009), Independiente (1974 e 1984), Boca Juniors (1977, 2000, 2003 e 2007) e Veléz Sarsfield (1994).
Este será o 13º jogo entre Flamengo e River Plate em competições oficias, com vantagem para os argentinos, que venceram cinco confrontos, contra quatro vitórias dos cariocas, além de três empates. O River marcou 18 gols, contra 16 do Rubro-Negro. Pela Libertadores foram quatro confrontos, dois pelo triangular semifinal de 1982, que terminou com duas vitórias cariocas por 3 a 0 e (fora) 4 a 2 (casa), além de dois empates pela fase de grupos de 2018, em 2 a 2 (Rio) e 0 a 0 (Buenos Aires).

O vencedor será o representante da América Latina na Copa do Mundo de Clubes da Fifa, que acontece de 11 a 21 de dezembro, no Catar. As equipes que já estão classificadas são o Liverpool (Inglaterra), Espérance de Tunis (Tunísia), Monterrey (México), Hienghène Sport (Nova Caledônia) e Al-Sadd (Catar). A vaga asiática será do Urawa Red Diamonds (Japão) ou do Al-Hilal (Arábia Saudita), que disputam a final da Liga dos Campeões da AFC.

 

Mauro Adamoli

[email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

quatro × um =