Fundação Casa se reinventa na pandemia do novo coronavírus

Medidas socioeducativas continuam a ser realizadas de maneira virtual e novos projetos são implantados. (Foto: Divulgação)

As 133 unidades da Fundação Casa espalhadas pelo Estado também tiveram que se reinventar nesta pandemia da covid-19. Assim como ocorreram com os presídios administrados pela SAP (Secretaria da Administração Penitenciária), as visitas de familiares foram suspensas provisoriamente, audiências passaram a ser realizadas de maneira online. As aulas de Ensinos Médio e Fundamental continuaram, mas em ambiente virtual.

Em entrevista ao Jornal de Piracicaba, o secretario estadual de Justiça e Cidadania, Fernando José da Costa, que também é presidente da Fundação Casa disse que todos os cuidados para impedir a contaminação da doença estão sendo realizados. Incluindo alguns servidores, que são do grupo de risco, passaram a atuar por meio de teletrabalho ou afastados. Quando ocorre algum caso, o adolescente internado é imediatamente isolado e recebe os atendimentos necessários. Dessa maneira, as direções estão conseguindo conter a disseminação.

“Nas experiências que tivemos ao longo desses meses da pandemia percebemos alguns pontos positivos nas alternativas adotadas. Uma delas, são as visitas virtuais, que contribuíram para as medidas socioeducativas, pois dessa forma, o adolescente pode ter contato com mais familiares, pode ver como está seu quarto, irmãos, cães e gatos”, disse o presidente.

PIRACICABA

Com relação à educação, a atuação foi mantida. Somente na unidade de Piracicaba, 29 jovens concluíram o Ensino Fundamental e oito o Ensino Médio, em 2020. Um deles vai prestar o Enem-PPL (Ensino Nacional do Ensino Médio) para as Pessoas Privativas de Liberdade.

“Os adolescentes que participam de cursos presencialmente era conduzido por um servidor que tinha a função de levá-lo e buscá-lo. O jovem não usava uniforme e somente a direção e alguns professores tinham conhecimento que estava sob medida socioeducativa justamente para preservá- lo de uma eventual discriminação e que pudesse ter uma oportunidade igual aos demais”, enfatizou Costa.

Ainda na unidade piracicabana, dois adolescentes participaram do torneio de xadrez, que foi virtual em 2020, e outros jovens ficaram em quarto lugar na Copa Casa de Futebol, que foi realizada antes da pandemia.

INCLUSÃO SOCIAL

A nova gestão da Fundação Casa iniciará o projeto de Inclusão Social para os próximos dois anos. O foco será dar o apoio pedagógico e acompanhamento do adolescente que conclui sua internação. “Cerca de 20% dos jovens reincidem. A maior parte é devido à falta de oportunidade. Queremos fazer um acompanhamento de pelo menos seis meses após a saída para auxiliá- -lo nesse período”, disse Costa.

Cristiani Azanha
[email protected]

LEIA MAIS:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

20 + 15 =