A conjugação de fatores econômicos com a pandemia de coronavírus, conforme decretada pela Organização Mundial da Saúde nesta semana, colocou o mundo em alerta total. As principais bolsas de valores em todo o planeta tiveram quedas sucessivas e, no Brasil, essa situação contribuiu para elevar o dólar a patamares históricos de alta. No mercado, o dólar turismo chegou a ultrapassar a casa de R$ 5,50.

Na realidade, o descalabro da economia brasileira está presente desde que Jair Bolsonaro assumiu o Governo Federal e só vem se agravando ao longo do tempo. A crescimento pífio do PIB, de 1,1,%, já prenunciava dias muito difíceis para o país. O agravamento da crise está fazendo com as novas previsões sejam revistas para baixo, abrindo perspectivas de mais desemprego, mais miséria, mais desesperança.

Como se comporta o presidente do país diante desse quadro? De forma totalmente irresponsável e descomprometida com a população e com os interesses nacionais. Incapaz de admitir que as reformas, retirada de direitos, desmonte dos serviços públicos, entrega do patrimônio nacional e tantas medidas de retrocessos não estão trazendo nenhum benefício ao país, volta suas baterias contra o Congresso Nacional, contra o Supremo Tribunal Federal, contra setores da mídia, contra a esquerda. Muitos desses setores o apoiaram, juntamente com os demais golpistas, para a derrubada da presidente Dilma e a implementação dessas políticas.

Nesta semana, corretamente, o Congresso Nacional deu o troco, derrubando o veto presidencial que restringia a concessão do Benefício de Progressão Continuada (BCP), no contexto da reforma da previdência. Oxalá novas rebeliões positivas como essa ocorram, pois o país não mais suporta ver crianças, mulheres, idosos, deficientes, negros e tantos outros segmentos sociais serem penalizados pela incompetência desse governo.

Aqui em São Paulo o governador Doria segue o projeto de Bolsonaro. Com apenas dois votos acima do mínimo necessário e utilizando tropa de choque para atacar os servidores públicos no dia 3 de março, aprovou uma reforma da previdência cruel. Agora, investe contra a carreira dos professores, para destruir a atual carreira, que não é a que sonhamos, mas que garante direitos importantes.

Privatistas, autoritários e incompetentes, esses governos não se mostram à altura de liderarem o país e o maior estado da federação. Bolsonaro está “torrando” as reservas cambiais de U$ 376 bilhões deixadas por Lula e Dilma Rousseff, pois é incapaz de oferecer ao país uma política econômica que nos leve à retomada do crescimento, muito menos com justiça social.

São também incompetentes frente à pandemia de coronavírus que agora está presente no nosso país. São dezenas de casos confirmados e nenhuma coordenação efetiva para controlar a ampliação do contágio, prevenir e tratar a doença. Depois de muita insistência de minha parte, como presidente da Apeoesp e deputada estadual, a Secretaria da Educação emitiu um comunicado com algumas orientações para as escolas estaduais.

Confio no povo brasileiro, confio na classe trabalhadora e trabalho para que, nesse ano de 2020, iniciemos a reversão de tantos atrasos, abrindo novas perspectivas para o futuro do Brasil e do estado de São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

cinco × 5 =