Há prevenção de câncer de mama também para as fêmeas de cães e gatos

Foto: Divulgação

Dieta calórica e questões hormonais estão relacionadas ao surgimento de tumores; a castração, feita na época certa, é a melhor precaução

A medicina-veterinária pega carona no Outubro Rosa e lança campanhas também para as fêmeas de cães e gatos. No Hospital Veterinário Taquaral (HVT), em Campinas, há duas veterinárias especializadas em oncologia animal – Dra. Clarisse Teixeira e Dra. Daniela Formaggio -, e as profissionais não se cansam em orientar os tutores sobre a necessidade da prevenção, pois, de acordo com as doutoras, as neoplasias mamárias em cadelas é o tumor mais comum nessa espécie.

“A propensão a esse tipo de tumor é cerca de 45% a 50% em relação aos outros tipos de tumores nas cadelas. E estima-se que cerca de 50% desses tumores são malignos”, frisa a Dra. Clarisse.

A Dra. Daniela, que também é especialista em felinos, explica que nas gatas a ocorrência é diferente: é o terceiro tipo de tumor de maior prevalência, atrás apenas de carcinoma de células escamosas e linfoma, ficando entre 20% a 30% em felinas com propensão a esse tipo de tumor. Segundo a doutora, “estima-se que, pelo menos, 80% desses tumores são malignos, sendo mais prevalente em gatas entre 10 a 12 anos de idade”. A doença pode ocorrer ainda em cães machos, mas sua incidência é de menos de 1%.

O surgimento de tumores mamários nas cadelas, conforme alguns estudos, demonstram ter origem nos hábitos alimentares e na obesidade. Dra. Clarisse destaca que esse tipo de câncer apresenta maior incidência em cães que são gordinhos desde a idade de 1 ano, demonstrando haver relação entre obesidade e neoplasias mamárias. E não é só: a obesidade também pode predispor a progressão do tumor e de desenvolvimento metástases.

Dra. Daniela ressalta que condições hormonais também são tidas como fatores de risco. Ele cita como exemplo a aplicação de anticoncepcionais para a inibição do cio. “O procedimento é relacionado ao aparecimento de neoplasias, principalmente benignas, tanto em cadelas como em gatas”, afirma a veterinária.

Em cadelas predispostas a esse tipo de neoplasia o câncer tende a aparecer entre os 7 e 12 anos de idade. Em gatas, entre os 10 e 12 anos.

Como prevenir?

Além de manter uma dieta com calorias controladas, em cadelas a melhor prevenção é a castração precoce. Dra. Clarisse diz que quando a cirurgia é realizada antes do primeiro cio, a probabilidade de a cadela desenvolver tumores mamários é de 0,5%. Antes do segundo cio, aumenta um pouquinho as chances, indo para 8%. E antes do terceiro cio, o índice se eleva para 26%.

Em gatas, de acordo com a Dra. Daniela, a castração antes de 1 ano de idade diminui a incidência de tumores mamários na espécie adulta.

A castração reduz muito a chance de desenvolvimento de neoplasias mamárias porque os tumores de mamas surgem dos hormônios. “Os ovários são responsáveis pela produção de estrogênio – hormônio que desenvolve a glândula mamária – e a progesterona, hormônio relacionado com o estímulo de multiplicação de células cancerígenas”, pontua Clarisse.

Todo cuidado é pouco

As doutoras salientam, porém, que a castração, quando muito precoce, pode trazer algumas consequências: incontinência urinária – quando realizada antes de 6 meses de idade -, como também aumento da incidência de outros tumores, a exemplo dos osteossarcoma, hemangiossarcoma, mastocitoma, linfoma e tumores cardíacos. “Por isso, as novas diretrizes de câncer mamário em cadelas orientam que animais de raças de pequeno e médio porte sejam castrados entre o primeiro e o segundo cio e de raças de grande porte e gigantes entre o segundo e o terceiro cio”, esclarece Clarisse, reforçando a importância das consultas frequentes ao médico-veterinário.

Dra. Daniela indica que o tutor deve observar sempre a sua fêmea. “A palpação das cadeias mamárias feita com regularidade é essencial para um diagnóstico e tratamento precoces. Qualquer nódulo, independente do tamanho, deve ser investigado”, enfatiza.

As doutoras alertam ainda que cerca de 25% das neoplasias mamárias malignas em cadelas apresentam no momento do diagnóstico algum tipo de metástase, podendo estar acometidos linfonodos regionais e pulmões.

Meu pet está com câncer de mama. E agora?

As especialistas em oncologia do HVT afirmam que o tratamento de eleição para as neoplasias mamárias é a mastectomia (cirurgia para retirada da glândula mamária), que pode ser parcial ou total, dependendo da mama acometida. Os linfonodos regionais também devem ser retirados.

Assim como em humanos, a quimioterapia, imunoterapia e radioterapia também são terapias utilizadas, dependendo do grau e histológico da neoplasia.

Um último alerta: neoplasias benignas também devem ser extraídas com cirurgia: “estudos demonstram que cadelas com neoplasias benignas têm três vezes mais chances de desenvolver neoplasias malignas com o passar do tempo”, pondera a Dra. Clarisse.

Da Redação

LEIA MAIS

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

cinco × 2 =