Higienização dos dentes é parte da rotina dos pets

Além da escovação, os tutores podem oferecer sticks palatáveis e mastigáveis para promover a limpeza dos dentes do pet

Os animais já são considerados parte da família e recebem toda a atenção dos donos. No entanto, a maioria dos tutores não considera os cuidados com os dentes dos pets uma grande prioridade, longe de estar junto à alimentação correta, passeios e banhos. Quando esse cuidado é ignorado, cães e gatos podem ser expostos a diversos perigos que poderiam ser evitados.

Além de problemas dentais, a má higienização bucal pode ocasionar uma série de complicações que afetam a saúde e o bem-estar dos pets. Pesquisas indicam que cerca de 80% dos cães desenvolvem doenças periodontais, antes dos três anos de idade, e apenas 10% dos tutores escovam os dentes dos pets com frequência.

Para a médica veterinária Priscila Brabec, a saúde bucal deve fazer parte da rotina dos pets. “Alguns cães passam grande parte de suas vidas sem higienizar os dentes, e isso pode acarretar em uma série de complicações, devido ao acúmulo das bactérias na boca”, ela afirma.

Priscila, aliás, pede “atenção redobrada” aos tutores quanto á saúde bucal dos animais de estimação. Segundo a veterinária, a escovação deve fazer parte da rotina de cuidados em todas as fases de vida do pet. “O ideal é que o animal seja acostumado, desde filhote, com a escovação. Dessa forma, o ato se tornará um processo natural para o cão”, destaca.

O mau hálito nos cães, a halitose, conta Priscila, é causada pelo acúmulo de bactérias na boca. O odor, explica, é um sinal de que o tutor precisa redobrar os cuidados com a saúde bucal do pet, “pois o acúmulo de placa bacteriana, pode evoluir para formação de tártaro e causar complicações”.

E por isso a higienização precisa ser diária – evita a proliferação das bactérias. “Quando o processo não é realizado ocorre a formação do biofilme bacteriano e se não for retirado, esse biofilme pode progredir para a placa bacteriana e evoluir para o cálculo dentário. É nesse cenário que o pet pode desenvolver uma série de complicações bucais”, atenta a veterinária.

E quanto aos riscos da falta de higienização? Priscila ressalta que os restos de alimentos que ficam na boca do pet estimulam a proliferação e acúmulo de bactérias na boca. Se não houver a retirada, pode evoluir para a doença periodontal e afetar as estruturas de sustentação dos dentes (gengiva, ossos e raiz) causando dor, salivação excessiva, e até mesmo a perda dos dentes.

Para escovar os dentes do pet, a veterinária fala que o ideal é posicionar a escova em um ângulo de 45º em relação a superfície dos dentes, dessa forma as cerdas penetraram de forma suave a região e utilizar uma pasta dental própria para os pets. “Na sequência, o tutor deve realizar movimentos circulares por toda a área. Uma dica é começar o processo pelos dentes do fundo, os cães costumam ser mais receptivos com o contato nessa área”.

Além da escovação, a dica de Priscila ao tutor para esta higienização é utilizar sticks palatáveis e mastigáveis para promover a limpeza dos dentes do pet. “No mercado é possível encontrar produtos com o RF2, uma molécula patenteada que age quebrando a formação do biofilme de bactérias na boca e evitando a evolução da doença periodontal. O item remove as sujidades da boca enquanto o cão mastiga o stick, o que facilita o processo de higienização”, explica.

Erick Tedesco