Idosa ganha carreata surpresa para comemorar seus 90 anos

Antonietta Rozzini Rocha completou 90 anos na última terça-feira (23). (Foto: Divulgação)

O casamento da senhora Antonietta Rozzini Rocha com o senhor Nelson Rocha, já falecido, gerou como frutos 18 filhos, dez noras, cinco genros, 34 netos, 27 bisnetos e um tataraneto até agora. E, para uma família numerosa como a deles, o que nunca faltou foi uma festa para celebrar a vida e a união. Então para comemorar os 90 anos da matriarca não poderia ser diferente, porém, de forma adaptada para preservar o distanciamento social e a saúde de todos em meio à pandemia. Por isso, na noite da última terça-feira (23), dona Antonietta ganhou de presente uma carreata.

O dia foi todo especial, ela lembra: de manhã recebeu uma cesta de café da manhã, no almoço, a feijoada também chegou até sua casa e, por meio de videochamada, recebeu as felicitações de toda a família. Tudo isso para não fazê-la desconfiar da surpresa, é claro. “Para mim foi maravilhoso, foi surpresa, eu não sabia. Fiquei muito contente, meus filhos são muito unidos, graças a Deus. Gostei muito do que meus filhos fizeram para mim, foi uma festa maravilhosa”, conta Antonietta, que há meses mantém contato com os familiares apenas da janela da casa.

Foto: Divulgação

Os filhos não deixam de passar por lá – mesmo chegando até o portal apenas, para rodear a mãe. “Estou sentindo falta dos meus filhos, porque todo sábado e domingo eles estavam aqui. Agora não estão podendo vir, mas vêm até o portão e volta, conversa pelo telefone. Fazer o quê? [Mas] vai passar”, conta Antonietta.

A surpresa da dona Antonietta contou com cerca de 15, conforme conta a filha “número 14”, Miriam Rocha. Os familiares ganharam os holofotes do bairro São Judas, cantaram parabéns e até os vizinhos participaram da surpresa. “Foi bem diferente de todos os anos. A gente geralmente faz uma feijoada na chácara. […] Mas esse ano, como eram 90 anos, ia fazer também e ia chamar as irmãs dela, mas aí não foi possível devido o vírus. Então a gente fez uma coisa que podia ser da época. Eu me senti muito emocionada, porque não deixamos [passar em branco]”, relata Miriam.

Durante a surpresa, dona Antonietta assistiu tudo da varanda de casa em sua cadeira. Os familiares que não moram em Piracicaba não perderam a festa e acompanharam por meio de live. “A gente estava planejando de fazer ‘a’ festa. Mas, infelizmente, já estava tudo certo chácara, buffet, aí apareceu a pandemia, [filhas e netas] tiveram a ideia de fazer a carreata”, lembra Erica Cristina de Castro, a neta mulher mais velha. “Foi muito emocionante, porque em meio a essas tragédias, a gente se sente vencedor por não ter perdido ninguém da família. A gente se sente vitorioso por ter ela. A gente não vai deixar passar em branco nada, mas tudo com maior cuidado. A vida dela, o que interesse para a gente é a vida dela”, complementa.

A família da dona Antonietta com o senhor Nelson compartilha também a história com a cidade. Quando se conheceram, as famílias moravam na Rua do Porto. Um dos irmãos do marido de Antonietta, coforme Miriam relata, foi o Elias dos Bonecas. Nelson também jogou no XV de Piracicaba, trabalhou no comércio e na antiga fábrica Boyes. “Minha mãe sempre foi aquela companheirona mesmo. Eles falaram ‘o que Deus mandar a gente vai ter, os filhos que Deus mandar’ e assim foi. São todos com nome bíblico praticamente. Tem Jacó, Abraão, Isaque, Salomão, Miriam, Josué, Damares, Moemi, Cássia, Raquel”, recorda Miriam. “É uma família abençoada mesmo”, complementa.

Andressa Mota