A partir de 9 de novembro, capacidade máxima será de 60%, seguindo medidas sanitárias | Foto: Amanda Vieira/JP

A ocupação de igrejas, templos religiosos e espaços similares em Piracicaba passa a ser de 60% da capacidade total do local, definida pelo AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros), a partir do dia 9 de novembro.

A alteração consta no decreto nº 18.504, publicado hoje (29) no Diário Oficial do Município, que revoga o anexo II do decreto anterior, de nº 18.386, de 13 de agosto, que estabelecia ocupação de 30%.

O decreto faz parte do Plano de Retomada das Atividades Econômicas em Piracicaba, que está na fase 4 (verde), no Plano São Paulo de combate ao coronavírus, do Governo do Estado de São Paulo.

As demais regras sanitárias do decreto continuam valendo. Entre elas está o uso obrigatório de máscara facial e higienização das mãos com álcool em gel a 70%.

Nas missas e nos cultos onde houver a celebração de ceia, com partilha de pão e vinho, ou celebração de comunhão, os elementos somente poderão ser partilhados se se adotarem as precauções quanto à manipulação e higienização.

LEIA MAIS:

Os espaços também devem ser higienizados e desinfectados com maior frequência e mantidos abertos e sempre ventilados, recomendando-se a não utilização de climatizadores e condicionadores de ar.

O estabelecimento também deve disponibilizar sabão líquido, borrifador de álcool em gel ou líquido a 70% e papel toalha nos banheiros e limpeza periódica dos vasos e tampas sanitárias, pias e outros itens dos banheiros, após cada missa e culto.

Os bebedouros e catracas devem ser desativados e um pano úmido ou tapete com produto específico (água sanitária/cloro) deve ser mantido no chão para limpeza do solado do calçado na entrada e saída das igrejas e templos religiosos.

É obrigatório manter afixado o “Termo de Responsabilidade” disponibilizado com o decreto, assinado pelo padre, pastor ou dirigente responsável, se comprometendo a cumprir todas as normas estabelecidas pelo decreto.

As autorizações de funcionamento com restrições previstas no dcreto poderão ser revogadas a qualquer tempo, diante do crescimento da taxa de transmissibilidade com impacto na rede de atenção à saúde.

Da Redação

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

4 × 1 =