Até a tarde de ontem, ainda haviam 4 focos de fogo na mata. (Foto: Gustavo Pinto)

O incêndio na Serra de São Pedro, que está ocorrendo desde sábado (12) compromete a reprodução de várias espécies aves que vivem naquela região, segundo a análise do ambientalista e guia de observador de aves, Gustavo Pinto. Entre elas estão as chocas, choquinhas, arredios, cambacicas, pula- -pula, limpa-folha, tangarás, sairás que usam galhos para fazerem seus ninhos, oco de árvores como pica-paus e corujas, algumas fazem até mesmo no chão com folhas secas como os bacurais.

Concentrado em uma região de difícil acesso, bombeiros, brigadistas, integrantes da Defesa Civil e funcionários da Prefeitura têm encontrado dificuldades para conter o fogo. A equipe Águia da Polícia Militar já realizou 25 lançamentos de água, mas até a tarde de terça-feira (15) ainda havia quatro focos distintos, porém sem riscos as pessoas, de acordo com o Corpo de Bombeiros. A área estimada atingida pelo fogo é de 20 mil metros quadrados.

Para o ambientalista, mesmo após o controle do incêndio alguns danos ao meio ambiente serão irreversíveis. “Além das aves, a região da Serra é rota de macacos como pregos, bugios e micos, pois eles se alimentam de brotos de árvores, bambus, frutas, ovos de aves e até mesmo aves”, afirmou Gustavo. “O incêndio está acabando com tudo isso”, alertou.

Segundo ele, várias situações podem ter provocado o fogo. “Precisamos conscientizar a população a não jogar lixos nas bordas das matas, pois com esse sol muito forte basta uma garrafa de vidro para causar danos irreparáveis”, enfatizou o ambientalista.

Ricardo Baldin Rossetti, capitão do Corpo de Bombeiros disse que a fumaça gera certo desconforto a alguns moradores dos arredores da parte superior da Serra. “O local não é possível acesso de viaturas e equipes terrestres, estamos monitorando a área e analisando o desenvolver do incêndio, tendo em vista uma possível mudança do clima e apoio de aeronave”, comentou o bombeiro.

MULTAS

De acordo com a Prefeitura de São Pedro, a legislação municipal prevê a proibição, sob qualquer forma, da realização de queimada nas vias públicas e no interior de imóveis, públicos ou particulares, localizados na zona urbana. Para os fins da lei, entende-se por queimada a queima de mato ou vegetação, seca ou verde, para fins de limpeza de terrenos em aberto ou de áreas livres localizadas em imóveis edificados; a queima ao ar livre, como forma de descarte, de papel, papelão, madeiras, mobílias, galhos, folhas, lixo, entulhos e outros resíduos sólidos assemelhados; a queima ao ar livre, como forma de descarte de pneus, borrachas, plásticos, resíduos industriais ou outros materiais combustíveis assemelhados, sólidos ou líquidos. Também é proibida a queimada em terrenos marginais de rodovias, de rios, de lagos ou de matas de quaisquer espécies.

A punição prevista é multa de 20 Ufesps a 50 Ufesps (R$ 530,60 a R$ 1.326,50), valor que pode ser aplicado em dobro se as infrações forem cometidas no horário compreendido entre as 18h de um dia e as 6h do dia seguinte, bem como as cometidas aos sábados, domingos e feriados. Desde o início do ano, a Prefeitura de São Pedro realiza a Operação Corta Fogo com o objetivo de evitar as queimadas. Desde então foram aplicadas 28 multas.

Cristiani Azanha
[email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

treze − cinco =