Inverno pode aumentar casos de infecção de urina nas mulheres

Foto: Pixabay

Infecção na bexiga pode causar dor pélvica, aumento da vontade de urinar, dor ao urinar e sangue na urina

Infecção urinária é sempre complicado, com essa estação mais fria onde se usa mais calças, a hidratação é menos frequente, assim como as idas ao banheiro e a higienização. Essa mudança de comportamento pode afetar uma parte importante do organismo, o aparelho urinário.

Apesar da frente fria já ter passado, os meterologistas avisam de uma nova chegada de frente fria ao Brasil em agosto. Isso fez reacender o alerta de especialistas para os cuidados com o corpo e a saúde. Ingerir ao menos dois litros de água por dia é um dos primeiros passos para evitar a infecção urinária. A nefrologista e professora de Clínica Médica do curso de Medicina da Universidade Positivo (UP), Mariane Rigo Laverdi, explica que a redução no consumo de água durante os meses mais frios do ano contribui para que as pessoas urinem com menor frequência. “Isso faz com que a urina fique por mais tempo na bexiga e essa estase aumenta a chance de uma infecção”.

As mulheres, em específico, precisam ser ainda mais cautelosas com a saúde em questão de problemas urinários.. De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, de 50% a 80% delas serão afetadas por esse problema em algum momento da vida. Contudo não somente o contágio pode aplacar mais mulheres do que homens, mas também a residência desteS casos. Um estudo publicado na Revista Publicatio UEPG, divulgou que mulheres tem mais chances de terem caso reincidentes em comparação aos homens, independente de qualquer idade.

Isso acontece porque no corpo feminino a uretra é mais curta, o que favorece a ascensão de bactérias para a bexiga. “É muito comum que as mulheres segurem a urina por muito tempo porque não encontram um banheiro adequado para urinar, por exemplo. Isso, combinado com a baixa ingestão de água, cria um ambiente ideal para a proliferação bacteriana”, completa.

Segundo a especialista, é considerado normal que a mulher tenha de três a seis episódios de infecção urinária por ano. No caso dos homens, ao contrário, esse tipo de evento é bem menos frequente. “Normalmente, quando o homem tem infecção urinária, a reação imediata do médico é começar a investigar as causas. Mas, com as mulheres, isso só ocorre se houver sinais persistentes da doença”. Mariane lembra que nem todas as infecções, no entanto, são causadas por bactérias. Alguns vírus, e até mesmo o estresse, podem prejudicar o trato urinário. Para descobrir a causa e determinar o melhor tratamento, é necessário realizar um exame de urina.

COMO EVITAR O CONTÁGIO E A REINCIDÊNCIA

Os sintomas são muito claros quando manifestados bem cedo. “As manifestações mais registradas são: ardência, dor ao urinar, sensação de não conseguir esvaziar a bexiga, idas ao banheiro diversas vezes ao dia e urinar de pouquinho em pouquinho. Mulheres com quadros um pouco mais graves também podem apresentar sangue na urina”, enumera a nefrologista.

A forma mais comum de tratamento para infecção de urina é a ingestão de antibióticos prescritos pelo médico. É importante avisar que o uso inadequado do antibiótico pode piorar a situação da infencção podendo gerar bactérias mais fortes e assim o uso de tratamentos mais agressivos ao corpo.

Larissa Anunciato
[email protected]

LEIA MAIS


DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

3 × cinco =