Iphan pede paralisação de construção do Parque Augusta

Iphan pede paralisação de construção do Parque Augusta
Fonte: Agência Brasil

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) pediu a paralisação das obras do Parque Augusta, na região central da capital paulista, devido à possibilidade de existência de vestígios de populações indígenas na área. Segundo o órgão, pode haver traços arqueológicos anteriores ao domínio português no local.

“Entre esses indícios está o histórico da ocupação da cidade, já que se trata de uma região central em São Paulo. Sabe-se que as ocupações humanas procuram características de terreno favoráveis a seus assentamentos, como a existência dos rios e córregos que cercavam essa região. Também vale destacar o caminho indígena Peabiru, que passava próximo dessa área”, explica o Iphan por nota, fazendo referência às estradas indígenas que ligavam a região ao litoral.

Por isso, o Iphan recomendou à Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente de São Paulo a contratação de uma equipe de arqueologia para investigar a área onde será construído o parque. O tema será discutido em uma reunião hoje (7) entre o instituto e a secretaria.

Além dos vestígios de povos tradicionais, o Iphan aponta para a possibilidade de haver materiais remanescentes de edifícios do começo do século XX.

A Secretaria do Verde e do Meio Ambiente confirmou que foi notificada pelo Iphan. “Importante destacar que, durante todo o processo de desenvolvimento e aprovação do projeto do Parque Augusta, houve o acompanhamento e devidas aprovações do Conselho de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo – Conpresp”, enfatiza o comunicado do órgão municipal.

Parque Augusta

O Parque Augusta está sendo construído no terreno do antigo Colégio Des Oiseaux, que funcionou no local no início do século XX. O palacete onde funcionava a escola para meninas e parte dos portões e muros foram tombados pelo Conpresp em 2004. A área de 24 mil metros quadrados fica na Rua Augusta, na altura das ruas Marquês de Paranaguá e Caio Prado.

O local só foi definitivamente destinado à construção de um parque em 2018, após anos de disputa entre a comunidade local e empreiteiras que compraram o terreno e pretendiam construir um grande empreendimento imobiliário na área.

A prefeitura fez um acordo com as construturas Setin e Cyrella em que as empresas aceitaram ceder o terreno em troca de títulos que permitem a realização do empreendimento que seria feito no local em outra área. As empresas também aceitaram pagar uma indenização de cerca de R$ 10 milhões à prefeitura para extinguir uma ação que era movida pelo Ministério Público de São Paulo em relação ao terreno.

Iphan pede paralisação de construção do Parque Augusta

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

1 × 4 =