Jornal de Piracicaba chega aos 120 anos

JP foi um narrador das conquistas da Noiva da Colina (Foto: Amanda Vieira/JP)

No longínquo ano de 1900, era um sábado, 4 de agosto, quando a primeira edição do Jornal de Piracicaba ganhou forma e conteúdo. Fundado por Manoel Buarque de Macedo e por Alberto da Cunha Horta, o novo periódico tinha por objetivo ser independente e cheio de vivacidade. Passados 120 anos, o JP é sinônimo da história da cidade, um narrador – observador e participativo – das conquistas da Noiva da Colina.

Já um diário forte e com relevância, a partir de 1939 o Jornal de Piracicaba ganha um novo capítulo em sua história (imensamente responsável pelo novo suspiro e colunas resistentes do jornal) com a aquisição do periódico por José Rosário Losso. A família está à frente do JP até hoje.

Em especial com a atuação do filho Fortunato Losso Netto, que dirigiu o periódico de 1939 a 1985, o Jornal de Piracicaba tem participação intensa na consolidação da Piracicaba do século XX, que consagrou instituições e valores fundamentais para a cidade.

Ao ser adquirido pela família, o JP foi a menina dos olhos dos irmãos Eugênio Luiz Losso e Fortunato Losso Netto. O primeiro, que era pintor, proporcionou ao jornal uma sólida base administrativa, características visuais próprias de um artista e aparatos técnicos que acompanharam os lançamentos tecnológicos da imprensa. Eugênio ficou à frente do periódico até 1974, quando faleceu.

LOSSO NETTO
O segundo irmão, Fortunato, era médico formado em 1934 pela Faculdade Fluminense de Medicina, com especialidade em radiologia. Mas também um jornalista exímio, com textos publicados no JP ainda na adolescência e com experiência no “O Jornal”, de Assis Chateaubriand, um dos primeiros periódicos que formou o império de média Diários Associados.

Losso Netto imprimiu nas páginas do JP novas ideias e planos que possibilitaram ao diário ultrapassar o século com maestria. Em seus editoriais, crônicas e reportagens, defendeu e contribuiu ativamente com o desenvolvimento de Piracicaba. Segundo levantamento realizado pelo JP, de 1939 a 1985, publicou aproximadamente 850 textos, sempre com foco na cidade. Também fazia questão de participar de reuniões e debates importantes, além de apreciar a produção artística, em especial a música erudita.

VIDA E HISTÓRIA
Sendo assim, Piracicaba, JP e Losso Netto têm em comum a própria história. O médico e jornalista foi responsável pela idealização e conquista de instituições até hoje relevantes para a cidade. Foi diretor clínico da Santa Casa por 18 anos, sendo que logo que retornou à cidade, em 1935, participou da implantação do setor de radiologia do hospital.

Também ajudou a criar a Sociedade de Cultura Artística, em 1925; o Rotary Club de Piracicaba no início dos anos 1940; a Pró Arte Piracicabana, em 1953 – que deu origem à Escola de Música de Piracicaba em 1961; a Empresa Telefônica de Piracicaba no início dos anos 1950; o Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba e a Rádio Educadora de Piracicaba, em 1967.

Além disso, foi sócio benemérito do Lar dos Velhinhos, participou do desenvolvimento da Associação Paulista de Medicina – região Piracicaba e pertenceu à Academia Piracicabana de Letras. Não à toa, em 1962 recebeu o título Piracicabanus Praeclarus, atribuído pela Prefeitura Municipal.

No campo da educação, com a participação de Losso Netto e do JP, Piracicaba ganhou a instalação da Faculdade de Farmácia e Odontologia de Piracicaba em 1957; e a Fundação Municipal de Ensino, mantenedora da Escola de Engenharia de Piracicaba. Outro símbolo da cidade que recebeu sua defesa dedicada foi o Rio de Piracicaba.

Losso Netto faleceu aos 74 anos em 3 de janeiro de 1985. Até os últimos dias, participou ativamente da produção diária e ininterrupta do JP.

LEGADO
Já seguindo os passos do pai desde 1976 à frente do Jornal de Piracicaba, Antonietta Rosalina Losso Pedroso deu continuidade ao patrimônio histórico e intelectual do periódico até 2011.

Era formada em Direito pela Universidade de São Paulo (1957), com pós-graduação em Economia Rural pelo Departamento de Economia da Esalq-USP (1966-1968) e pela Universidade do Estado de Ohio (1968-1970). Também com participação cidadã ativa, foi membro de diversas associações, como da ANJ (Associação Nacional de Jornais).

Em 1933, Antonietta recebeu o título de “cidadã piracicabana” da Câmara de Vereadores. Faleceu em 2011, aos 77 anos, e deixou o legado ao filho, Marcelo Batuíra Losso Pedroso, sendo a quarta geração à frente do periódico.

A missão é manter a credibilidade e a responsabilidade com o leitor, mas também inovar para continuar indispensável ao piracicabano em um mundo cada dia mais digital.

Andressa Mota

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

oito + onze =