Dirceu
Documento sugere suspensão do parlamentar por 60 dias. (Foto: Claudinho Coradini/JP)

O juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública, Wander Pereira Rossette Júnior, concedeu liminar suspendendo a votação, pela Câmara de Vereadores, do relatório da Comissão de Ética e Decoro Parlamentar sugerindo 60 dias de suspensão ao vereador Dirceu Alves (SD). O relatório é fruto da apuração sobre a denúncia de assédio contra uma ex-assessora que também acusa o parlamentar de exigir parte do salário dela enquanto servidora na Casa de Leis. O magistrado acatou o mandado de segurança apresentado pelo vereador que defende Alves, Gustavo Benitez Ribeiro. O defensor classificou ontem o relatório como incoerente e absurdo e afirmou que não há provas contra o seu cliente.

De acordo com Benitez, a comissão apurou a denúncia de exigência de metade do salário da ex-assessora e de o vereador indicar pessoa não qualificada para atuar no Departamento de Cerimonial da Câmara. O advogado afirmou que, ao final, a comissão apontou que a infração cometida foi induzir a administração à contratação para cargo não concursado. Infração, segundo ele, que o parlamentar não teve direito de defesa durante o processo.

O advogado de defesa disse ainda que recorreu à Justiça porque não houve portaria de instauração do procedimento, pelo fato de o relatório aplicar sanção sem que o vereador tivesse a oportunidade de se defender e por não ter sido aplicado o direito de recurso da defesa. “Quem alega os fatos tem de trazer provas”, afirmou o advogado.

Para o advogado da ex-assessora, Homero de Carvalho, a liminar revela uma ingerência do Judiciário no Legislativo. “São poderes distintos e se trata de uma questão administrativa não penal, mas se o juiz entendeu desta maneira, vamos esperar o desenvolvimento do processo”, afirmou.

Alves classificou a denúncia como interesse político em prejudicá-lo. O parlamentar disse que tem mantido o trabalho sem interrupção e prometeu responsabilizar na Justiça as pessoas que o acusaram.

Procurada, a assessoria de imprensa do Legislativo informou que a Câmara de Vereadores recebeu ontem à tarde, a decisão no mandado de segurança impetrado contra ato do presidente da Comissão de Ética e Decoro Parlamentar, Marcos Abdala. “Diante disso, foi encaminhado ao Departamento de Assuntos Jurídico, na pessoa da advogada-chefe Laura Checoli, para que encaminhe ao judiciário, em nome do Poder Legislativo, as informações solicitadas e auxilie o presidente da Comissão de Ética em sua manifestação nos autos do processo”, informou assessoria.

(Beto Silva)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

três × cinco =