Livros Sagrados

No processo de aquisição e difusão do conhecimento o livro tem papel destacado, ao preservar as informações nele gravadas, permitindo sua perpetuação e divulgação.
Além dos livros tipicamente humanos, existem aqueles aos quais é atribuída origem divina, por isso mesmo considerados sagrados. As mais diversas religiões possuem, como base fundamental de sua doutrina e como referência de valores e de conduta os chamados livros sagrados, os quais têm sido usados não apenas como referência moral e objeto de estudo, mas, devido à ignorância humana e a interpretações equivocadas, também como justificativa e pretexto para atos antifraternos e hostis em relação a pessoas e grupos que não compartilham seu modo de vida e suas crenças.
Todas as grandes religiões possuem livros sagrados, como a Bíblia, o Bhagavad Gita, os Sutras budistas, o Tao Te King, o Alcorão, dentre outros. Ocorre que tais obras, embora de inspiração superior e destinadas a instruir e orientar seus seguidores, foram recebidas, escritas e divulgadas por seres humanos, limitados e imperfeitos. Além disso, sabe-se que algumas partes desses textos foram, por diversos motivos, adulterados ou erroneamente traduzidos. Portanto, é importante que não só apreciemos essas obras com o devido respeito, sabendo que são preciosos tesouros espirituais da humanidade, mas igualmente com o necessário discernimento e bom senso, a fim de não sermos induzidos a interpretações literais, exclusivistas ou dogmáticas, nem levados a condutas fanáticas, intolerantes ou violentas.
Se, de acordo com princípios espiritualistas e fundamentos religiosos, a divindade se encontra no interior de cada ser, qualquer pessoa que se abra à inspiração superior e se coloque a serviço do bem pode receber, canalizar e compartilhar ensinamentos de valor espiritual. Desse modo, além dos chamados livros sagrados tradicionais, inúmeras obras de elevada inspiração têm se mostrado verdadeiros mananciais de luz espiritual. Como fenômeno natural, a qualquer instante podem surgir, e surgem, novas revelações de natureza espiritual. Esse fato demonstra a sabedoria e o amor de onde provêm tais revelações, as quais não se restringem a nenhuma religião em particular nem dependem de um único ser, pois a humanidade é imensamente plural e qualquer texto que se destine a elevar, instruir e orientar o ser humano na sua jornada evolutiva pode ser considerado sagrado.
Da mesma forma que as obras consideradas sagradas surgiram em diferentes épocas e lugares, revelações espirituais continuaram a ocorrer em diversos períodos e locais, no incessante intercâmbio entre os planos de existência. Portanto, é inútil e contraproducente qualquer tentativa de se recusar novas revelações de caráter espiritual, pois fazem parte do natural e inexorável processo evolutivo da humanidade. Os próprios livros hoje considerados sagrados, de certa forma foram, quando inicialmente apresentados, motivo de crítica, recusa ou hostilidade por parte de quem não estava pronto para assimilar seus conceitos ou possuía diferentes pontos de vista.
Pode-se, portanto, considerar sagrada qualquer obra cuja fonte de inspiração seja superior à mente humana, que se destine a instruir e iluminar o ser humano, evocando sua natureza divina, estimulando seu desenvolvimento espiritual e motivando-o a conquistas de natureza superior, as quais, quando vivenciadas, promovem inevitavelmente a educação, a cura, a fraternidade e a paz entre todos os seres.

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

19 − dois =