Lucas encontra irmãos e comemora aumento da família

Encontro real vai ser pós-pandemia; irmãos se conheceram virtualmente após matéria publicada no JP. (Foto: Alessandro Maschio/JP)

Um dia após a publicação da história do autônomo Lucas Sacarabelini, pelo Jornal de Piracicaba, um encontro virtual reuniu ontem (26) três irmãos, depois de 28 anos separados. Ao receber o contato de um grupo de voluntários que atua para promover encontros e reencontros, Lucas conheceu e conversou com o irmão Tiago, 33 anos, e a irmã Tatiane Feitosa de Lima, de 37. O primeiro contato ocorreu por uma rede social e logo os irmãos se falaram e se viram por meio de um aplicativo.

Emocionado por finalmente conhecer seus irmãos, Lucas disse que o encontro físico vai aguardar a pandemia dar uma trégua. “Vamos esperar passar tudo isso e vamos nos reencontrar, todos nós queremos”, comemorou.

Assim como ele, os irmãos se casaram e têm suas próprias famílias. Já a mãe, Maristela, morreu há cerca de 20 anos. Lucas disse que o bebê que ela carregava na barriga, quando ele foi deixado na praça José Bonifácio, há 27 anos, não chegou a nascer.

“Ela caiu por cima da barriga e o bebê faleceu”, contou com base na conversa com os irmãos.

Ontem, o dia foi de alegria foi de muita alegria para o Lucas, a esposa Mirela e o pequeno Gabriel, de quatro meses, que acaba de ganhar dois tios.

“Ele (Lucas) está muito emocionado e está conversando com os irmãos pelo celular”, contou Mirela ontem pela manhã, quando o marido ainda conversava com os irmãos.

ENTENDA O CASO

Em 1.992, a polícia encontrou um bebê de quase dois de idade em uma caixa de papelão, abandonado na praça José Bonifácio, no Centro de Piracicaba. O garotinho foi levado a um orfanato na Paulicéia e cerca de um ano e meio depois, foi adotado pelo casal Marilene Scarabeline e Paulo Marçal Filho, recebendo o nome de Lucas Scarabeline.

A mãe biológica, Marilena Feitosa de Lima, era moradora de rua. Ela deixou o fi lho aos cuidados de um grupo de moradores de rua para nadar no rio com um homem e não voltou para apanhá-lo. Lucas cresceu sabendo da sua história e que tinha três irmãos biológicos que foram criados pela avó materna em São Paulo, Capital.

Beto Silva
[email protected]

LEIA MAIS:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

dez − seis =