Maio concentra maioria dos pedidos de seguro-desemprego

No país, setor que mais demitiu em maio foi de serviço. (Foto: Amanda Vieira/JP)

Em meio à pandemia da covid-19, foram feitos 2.292 pedidos de seguro-desemprego no mês de maio em Piracicaba, aumento de 30% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Já no comparativo com o mês de junho deste ano, as solicitações do benefício, em Piracicaba, foram 87% maior no mês dedicado aos trabalhadores.

Do total de 2.292 solicitações do seguro-desemprego em Piracicaba, 95% (2.179) foram feitas online pelo trabalhador.

PERFIL DOS BENEFICIADOS
De acordo com os dados do Programa de Disseminação das Estatísticas do Trabalho, da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, sobre o perfil dos solicitantes do segurodesemprego, em nível nacional, 41,3% eram mulheres e 58,7% homens.

A faixa etária que concentrava a maior proporção de solicitantes era de 30 a 39 anos, com 32,3%. Em termos de escolaridade, 61,4% tinham ensino médio completo.

Em relação aos setores econômicos, os pedidos foram distribuídos entre serviços (42%), comércio (25,8%), indústria (20,5%), construção (8,2%) e agropecuária (3,4%).

Com as medidas de isolamento social decorrentes da pandemia da covid-19, os atendimentos via web (734.353) representaram 76,5% dos pedidos.

Em maio, os três estados brasileiros com maior número de requerimentos para o benefício foram São Paulo (281.360), Minas Gerais (103.329) e Rio de Janeiro (82.584).

Tem direito ao seguro- desemprego o trabalhador que
foi dispensado sem justa causa; estiver desempregado, quando do requerimento do benefício; ter recebido salários de pessoa jurídica ou pessoa física equiparada à jurídica relativos a pelo menos 12 meses nos últimos 18 meses imediatamente anteriores à data de dispensa, quando da primeira solicitação; pelo menos 9 meses nos últimos 12 meses imediatamente anteriores à data de dispensa, quando da segunda solicitação; e cada um dos seis meses imediatamente anteriores à data de dispensa, quando das demais solicitações; não possuir renda própria para o seu sustento e de sua família; não estiver recebendo benefício de prestação continuada da Previdência Social, exceto pensão por morte ou auxílio-acidente.

Beto Silva

[email protected]