Decisão sobre a escolha da ministra como paraninfa foi da diretoria da universidade. (Créditos: Claudinho Coradini/JP)

Por não estar presente na cerimônia de colação de grau, amanhã, a ministra Tereza Cristina, do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), paraninfa dos formandos da Esalq/USP, encontrou-se com alunos ontem para reunião. Recebeu homenagens e enfrentou protesto. A ministra está a caminho de Berlim, para a Semana Verde.

“[O papel da Esalq] é fundamental, daqui são as cabeças que saem para continuar fazendo essa tecnologia e inovação que a agricultura brasileira só é o que é hoje porque tem grandes universidades como a Esalq”, afirmou a ministra.

 

Compuseram também a mesa o reitor da USP, Vahan Agopyan; o prefeito Barjas Negri; o direitor da Esalq, Durval Dourado Neto; a pró-reitora de Cultura e Extensão da USP, Maria Aparecida Machado, e o 1o titular da Cátedra Luiz de Queiroz, Roberto Rodrigues. A ministra recebeu homenagens da Associação dos Ex-Alunos da Esalq; da ouvidoria do campus e da Esalq.

De acordo com alunos ouvidos pelo JP, a decisão da escolha da ministra para paraninfa das turmas foi feita pela diretoria da universidade e, ao ser proposta, a Comissão de Colação de Grau a aceitou, conforme informou Thaís Alves Sousa, tesoureira da comissão. Desta forma, como não houve votação direta, os alunos ficaram divididos. Ao todo, são 294 formandos de sete cursos.

Durante período de perguntas e respostas, Nara Perobelli, 22, formanda de gestão ambiental, protagonizou protesto ao ler texto no qual caracterizou o projeto do governo federal “fundamentado e sustentado no capital e na desigualdade”. “Não representa a nenhuma ou nenhum de nós, uma paraninfa ou paraninfo que, do alto cargo de liderança que possui, escolha fazer política dessa forma”, leu.

Ao responder, Tereza Cristina enfatizou que o Brasil vive uma democracia e que respeita o ponto de vista da formanda.
Para Camilla Noel da Silva, 24, formanda de engenharia florestal e ex-coordenadora nacional da Associação Brasileira de Estudantes de Engenharia Florestal, a escolha não representa todos os alunos, pois parte não concorda com a política do governo federal.

“Todo mundo tem acompanhado quais são as notícias que estão vindo da parte agrária do nosso país. A ministra tem um papel muito central nessas políticas dentro do Mapa, na liberação de diversos agrotóxicos que são proibidos na Europa e tantos outros lugares”, comenta.

A ministra foi questionada pelo JP, antes da reunião, sobre como analisa as críticas à sua gestão sobre a liberação de agrotóxicos. “Acho que as críticas sempre vêm, principalmente de pessoas que não são informadas. Esse é um assunto técnico e que a ciência trata muito bem. Estou aqui numa universidade de agronomia de excelência, onde esse assunto é tratado com a maior seriedade. […] O Ministério tem que aprovar e ele só aprova. Nós temos a OCDE (Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Econômico), que hoje o Brasil está buscando fazer parte. Então, nós temos que conviver com as regras internacionais”, pontuou.

Para Gustavo Henrique Peretti, 23, de engenharia agronômica “é sempre muito interessante pra gente que está dentro da área da agricultura ter uma representação por parte do governo e eles demonstraram que estão prestando atenção no pessoal que está saindo [da universidade]”.

 

Discurso de aluna da Esalq ganha repercussão nacional

O discurso de Nara Perobelli, formanda do curso de gestão ambiental da Esalq/USP, ontem, em protesto à ministra Tereza Cristina como paraninfa das turmas de 2019, ganhou os sites de notícias do país e viralizou nas redes sociais.

 

“Tem algumas pessoas, inclusive de órgãos representativos da Esalq, dizendo que eu tinha feito parceria com algumas mídias. Isso não é verdade, a gente não tinha combinado nada. Também se tivesse, não é um crime. Acredito que a repercussão se deu muito porque várias pessoas se sentiram representadas com a fala desse grupo”, conta Nara que foi a porta-voz de um grupo de formandos descontentes com a escolha da ministra como paraninfa.

Na ocasião, Nara afirmou que as políticas do governo federal impulsionam desigualdade na sociedade e que “cerceiam a ciência e a autonomia das universidades”. “Um modelo que é a cara da bancada ruralista. Um projeto de governo fundamentado e sustentado no capital e na desigualdade. Que em 2019 gerou incêndios de proporções assustadoras; Que prendeu e matou ambientalistas, indígenas, quilombolas, agricultores, mulheres, negros, lgbtqi+”, leu Nara.

Ao responder Nara, Tereza Cristina afirmou que o Brasil vive uma democracia e respeita o ponto de vista da formanda. “Graças a Deus, nós vivemos em um país democrático. Essa é a beleza da diferença de pensamento. Agroecologia é uma ciência fantástica, desde que seja baseada em ciência. O que não podemos é esquecer a ciência, principalmente quem está aqui na universidade”.

 

Andressa Mota
[email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

1 × um =