Mirante contribui com arborização urbana de Piracicaba

A concessionária Mirante e o município de Piracicaba estão colhendo os resultados de um bem sucedido projeto baseado nos princípios da sustentabilidade e da economia circular. Trata-se de uma iniciativa que utiliza composto orgânico, proveniente do lodo das estações de tratamento de Esgoto, no cultivo de mudas do Viveiro Municipal.

Cerca de 9 toneladas (12 m/3) deste sustentável composto agrícola – gerado a partir da mistura do lodo das ETE’s com outros resíduos orgânicos – foram doadas ao Viveiro Municipal. Desde então, o rico composto orgânico já está sendo utilizado no cultivo de mudas para plantio em calçadas e de mudas para restauração florestal, segundo Clementina Rossin, agrônoma responsável pelo Viveiro Municipal, que é mantido pela Prefeitura de Piracicaba, por meio da Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Sedema).

“Com ele (composto agrícola) já foram produzidas 300 mudas de calçada de araçá-vermelho, grumixama, manduirana e cereja-do-Rio-Grande”, conta Clementina, referindo-se a algumas das espécies que contribuem com a arborização urbana da cidade.

De acordo com a coordenadora de Operações e Serviços da Mirante, Laís Fonseca Gomes, o projeto traz uma série de benefícios ambientais, operacionais e sociais. “A transformação do subproduto das ETE’s em composto agrícola gera vários benefícios diretos. Entre eles estão a reciclagem do lodo, a redução de um terço do volume de lodo que é encaminhado para a disposição final em aterros sanitários e a diminuição da utilização de fertilizantes minerais na agricultura”, afirma Laís.

Iniciado em agosto de 2020, o projeto de produção de composto agrícola proveniente do lodo das ETE’s foi viabilizado por meio de uma parceria entre a concessionária Mirante com a Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz) e a APTA (Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios). Os resultados oficiais desse projeto socioambiental ainda estão sendo mensurados.

Produção do composto orgânico

Aproximadamente 1.200 toneladas de lodo proveniente das ETE’s foram misturadas a 1.800 toneladas de material orgânico estruturante (resíduos de podas, folhas e gramas resultantes dos serviços municipais). Em seguida, essa mistura de 3 mil toneladas iniciou um processo de compostagem.

Na etapa de compostagem, todo esse volume reduz aproximadamente 40%, observa Laís. “E os microorganismos que estão ali entram em plena atividade, elevando bastante a temperatura neste meio e, consequentemente, eliminando parasitas e patógenos praticamente em nível de esterilização”, explica.  “Ou seja, durante o processo ocorre uma reação exotérmica que além de reduzir patógenos e parasitas também reduz o total de toneladas da mistura. E no final do processo os nutrientes que estão ali podem retornar para a agricultura em forma de fertilizante”, acrescenta.

Outra parte das 1.800 toneladas de composto agrícola produzido foi destinada a produtores rurais, especialmente plantadores de cana-de-açúcar da região. “Na agricultura a gente consegue reduzir a dependência de fertilizantes minerais com o uso desse composto”, observa a coordenadora de Operações e Serviços da concessionária Mirante.

A cada mês, as 24 ETE’s que operam em Piracicaba tratam cerca de 3 milhões de metros cúbicos de esgoto, gerando aproximadamente 1.200 toneladas de lodo no período.

Leia Mais:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

10 − 1 =