Moradores do São Luiz reclamam da falta do serviço de corte de mato

Em nota, a Vivo informa que irá enviar uma equipe para realizar a manutenção do local (Foto: Amanda Vieira/JP)

Os moradores do bairro Jardim São Luiz têm tido problemas com uma área verde no local, que não é podada desde o ano passado, resultando em mato alto e aparições de animais indesejáveis. O auxiliar de produção Eugênio Faazenaro Neto, um dos moradores do local, conta que a Prefeitura, por meio da Sedema, executa o serviço de podagem uma vez a cada três meses, mas que o serviço está atrasado.

“Se não me engano a última poda foi no dia 12 de dezembro. Esperamos março, liguei no 156, já que estava programado para o dia 16, porém não vieram. No fim do mês liguei novamente e não obtive resposta. No Facebook também deixei a reclamação, mas também não deram retorno”, detalhou Fazenaro, que não teve sucesso em suas reclamações.

Sobre as reclamações, Fazenaro disse que com a ajuda de outros vizinhos eles tem se revezado para realizar as reclamações junto a Prefeitura. “Temos um grupo de WhatAapp no bairro, na qual nos revezamos para reclamar, para termos um número maior de pessoas, e no momento ninguém teve sucesso. Eles já deram várias datas para as podas, fizeram em toda a avenida, mas ali ainda não foi feito”, concluiu.

O auxiliar de produção conta que o mato ao lado de sua casa está ultrapassando dois metros de altura, resultando no aparecimento de aranhas e escorpiões “Há aproximadamente 60 metros pra frente tem um córrego. Nós nunca tivemos problemas com esses animais, em razão de sempre ter sido feita a manutenção”, complementou.

Outro detalhe que preocupa a quantidade de mato é a segurança, já que crianças costumam brincar perto do matagal, entre eles a filha e um sobrinho do auxiliar de produção, ressaltando que o local é propício para ser um esconderijo de assaltantes. “Tem dia que saio para trabalhar às 5h, e no momento que estou tirando o carro, fica fácil para qualquer pessoa se esconder no mato, em razão da altura e escuridão do horário. Na última quinta-feira (23) teve um assalto perto da minha casa, em que os assaltantes se esconderam dentro do mato nesta área verde”, detalhou Fazenaro.

Em resposta a reportagem, a Sedema informa que vai enviar servidores da pasta ao local para saber se o mesmo é uma área pública para acionar as equipes de manutenção de áreas verdes. Se for área particular, o responsável será autuado por falta de conservação da mesma.

SANTA TERESINHA
Outro bairro que vem sofrendo com o mato alto é o de Santa Teresinha. Uma moradora do local que pediu para ter o nome preservado disse que o terreno ao lado de sua casa, possui uma torre de transmissão da empresa de telefones Vivo, que cuidam da podagem do terreno, porém alega que desde o ano passado a empresa tem faltado com seus compromissos, deixando o mato crescer e lhe causando dor de cabeça.

“No começo eles apareciam para limpar, mas se acomodaram e largaram mão. Agora o mato está quase chegando ao nosso muro, e aparece lagartixa, rato, aranha, escorpião. Na minha sala já apareceu aranha e não sei como estão conseguindo entrar aqui, já que fecho bem as portas”, declarou a moradora, alegando que a situação fica mais complicada em razão de sua saúde, já que tem dificuldades para andar em razão de uma prótese no joelho e está no grupo de risco do covid-19.

Em nota, a Vivo informa que irá enviar uma equipe para realizar a manutenção do local.

Mauro Adamoli

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

10 + um =