Morre, aos 90, Dona Tica, rainha da Congada da Festa do Divino

Dona Tica era conhecida e respeitada por todos por sua sabedoria e ensinamentos (Foto: Divulgação)

Faleceu às 2h da madrugada de ontem Maria Aparecida dos Santos, a Dona Tica, que era a Rainha da Congada do Divino Espírito Santo de Piracicaba. Ela faleceu por complicações de saúde aos 90 anos. A comunidade da Congada recebe a notícia com tristeza. Roberta Lessa, coordenadora da Congada local, informou que não houve velório devido à disseminação da covid-19.

Dona Tica era um dos pilares da manutenção da manifestação cultural tradicional na cidade, conta Roberta. “Era também grande conselheira, representando toda força feminina e da maternidade da Congada do Divino Espírito Santo de Piracicaba. Sempre presente física e espiritualmente nossa rainha Tica transbordava ensinamentos, perpetuando sua sabedoria ancestral”, disse.

Roberta conviveu 20 anos com Dona Tica, conta ao Jornal de Piracicaba. “Conheci Dona Tica quando entrei para o grupo de Congada do Divino Espírito Santo de Piracicaba há vinte anos como parte das dançantes, ela sempre à frente do grupo já era considerada uma das guardiãs e mentoras da Congada de Piracicaba”. Como ressalta a coordenadora, Tica era uma das principais responsáveis pela salvaguarda da memória da manifestação, explica por Roberta como “secular, folclórica, popular e ritualística”.

“Via que todos recorriam a ela para aconselhamentos muitas vezes indo à sua casa para receber suas boas vibrações que o grupo considerava e respeitava como forma de benzimento. Dona Tica sabia o que dizer ao grupo ou individualmente, com suas palavras simples, mas de profunda sapiência popular. Acolhia a todos com seu carinho peculiar e jamais deixava de ‘puxar a orelha’ quando necessário”, lembra Roberta da amiga.

Segundo Roberta, nenhum ensaio da Congada começava sem a presença de Dona Tica. “Nos últimos tempos ela somente comparecia na Festa do Divino devido à sua idade e questões de saúde”, pondera. Tica ainda foi, por décadas, voluntária na cozinha na Festa em Louvor ao Divino Espírito Santo de Piracicaba, bem como auxiliava muitos necessitados, com doações de roupas e alimentos doados.

“Sua postura era sempre assertiva e direta, e sempre defendia suas opiniões, principalmente no que tange à continuidade do Grupo de Congada do Divino de Piracicaba, zelando para que não se perdesse suas características próprias”, completa Roberta.

Rosângela Camolesi, secretária da SemacTur (Secretaria Municipal da Ação Cultural e do Turismo), também comentou sobre a morte de Dona Tica. “Dona Tica foi sem dúvida, uma das grandes parceiras da cultura piracicabana. Sempre muito alegre e forte, fez da Congada do Espírito Santo um de seus principais legados”.

Erick Tedesco