Caso foi registrado no plantão policial (Claudinho Coradini/JP)

Um aposentado de 66 anos foi preso, após ser acusado de atropelar a esposa, uma dona de casa de 65 anos, após engatar marcha ré, enquanto tentava sair da garagem da própria casa, em Ártemis, às 21h45 deste domingo (06). Ele alegou que não viu que a mulher estava atrás do carro. Ela foi levada à UPA (Unidade de Pronto Atendimento), mas não resistiu. O acusado chegou a ser agredido por alguns moradores. Levado ao plantão policial, o aposentado foi autuado em flagrante sob acusação de homicídio culposo (sem intenção), agravado pelo fato de dirigir embriagado. O acusado não teve direito à fiança. No entanto, ele foi liberado na audiência de custódia.

Um vizinho do casal relatou à Polícia Militar que estava em frente à sua residência, quando presenciou que o aposentado chegou em seu veículo Toyota Corolla, apresentando sinais de embriaguez como fala pastosa e olhos vermelhos. Ele chegou a estacionar na garagem de sua casa, com alguma dificuldade, mas minutos depois retornou ao carro, engatou marcha ré para sair de novo e acabou atingido a mulher que estava atrás do veículo. Depois do ocorrido, o aposentado teria descido do carro e estaria muito abalado. O vizinho relatou ainda que não presenciou nenhuma discussão entre o casal.

A Polícia Militar esteve na UPA, onde o marido e a esposa foram levados. Os PMs receberam a notícia de que a mulher morreu. No local, o aposentado alegou aos PMs que realmente ingeriu bebidas alcoólicas e que manobrava seu carro para sair da garagem, quando percebeu que atingiu algo. Somente depois que saiu do carro, percebeu que atingiu sua esposa. O acusado também andava com dificuldades e tinha forte odor etílico. Ele fez o teste do etilômetro (bafômetro), que apontou concentração de 0,52 miligramas de álcool por litro de ar. A atual legislação estabeleceu o limite de 0,05. Após receber atendimento médico, o aposentado foi conduzido ao plantão policial, onde foi autuado em flagrante.

O delegado plantonista Airton Jaguanharo Correa ressaltou que o aposentado também passou por exame clínico do médico legista que confirmou a embriaguez. A autoridade decretou a prisão flagrante, mas ele foi solto na audiência de custódia.

O corpo da vítima passará por exame necroscópico para confirmar a causa da morte e somente depois será liberado aos familiares para providenciarem o sepultamento. O caso será apurado pelos policiais civis do 4º Distrito Policial.

Cristiani Azanha

[email protected]

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

4 × 2 =