Mulheres comandam os maiores programas de inovação

Elas sabem delegar, comandar e manter a equipe motivada. (Tech Startups)

Pesquisa publicada pela GEM (Global Entrepreneurship Monitor) 2018/2019, informa que o Brasil ocupa a 7ª posição se tratando da quantidade de mulheres que estão à frente de negócios em estágios iniciais – aqueles com menos de 42 meses de existência.


Apesar de animador, este número ainda tem potencial de melhoria. Dados da Associação Brasileira de Startups (Abstartups) mostram que no Brasil existem quase 24 milhões de mulheres empreendedoras, mas que 40% das startups não contam com a presença feminina no quadro de funcionários.



O ponto positivo são os cases de sucesso que têm inspirado mulheres a ingressarem neste sistema. Janice Maciel, por exemplo, é coordenadora de uma empresa especializada por ser a maior em programa de aceleração de startups da América Latina. Segundo ela, as mulheres que querem empreender se inspiram naquelas que já conseguiram ingressar neste mercado predominantemente masculino.

Além disso, também houve uma expansão significante na quantidade de mulheres proprietárias de algum negócio. Entre 2018 e 2019 o Brasil contabilizou aumento de cerca de 50% no número de empreendedoras participantes.


“As mulheres têm muito a contribuir nos negócios, pois elas geralmente dão mais importância ao fator humano nas organizações, têm maior facilidade de delegar e construir equipes motivadas, o que é imprescindível para o sucesso de qualquer empresa”, comenta Janice.

Esse crescimento também pode ser observado nos últimos unicórnios (start-up tecnológica que alcance um valor de mercado de US$ 1 bilhão) criados no mundo. Em 2018, 15 das startups que atingiram o valuation de US﹩ 1 bilhão tinha ao menos uma fundadora. Em 2019, esse número subiu para 21, sendo que cinco delas tiveram apenas mulheres como fundadoras. Mesmo assim, eles representam apenas 4% dos unicórnios criados ano passado.

Para Fernanda Konradt, Coordenadora dos programas Sinapse, nas suas edições do estado de Santa Catarina, Amazonas e Espírito Santo, e Centelha, a formação de equipes diversas é primordial para a inovação, já que a mesma surge da congregação de ideias diferentes que, quando se unem, são capazes de se complementar e construir algo novo.

Da Redação