Nada a declarar

young woman practicing yoga on the beach at sunrise Água foto criado por chevanon - br.freepik.com

Se me perguntarem sobre a razão do atual estado de coisas, direi que nada tenho a declarar. Mas é preciso escrever uma crônica para que o assunto fique claro, com a leveza de palavras minimamente necessárias. Assim seja.

Nada a declarar, perante o assombro diário. Recolho-me em silêncio no meu canto amado e medito a vida. Meditar tem me feito um bem enorme. As aulas de yoga dadas pela filha mais velha também. O corpo agradece e esta é uma declaração perfeitamente válida para estes tempos pandêmicos.

Nada a declarar, a não ser o que existe sob este céu de março, onde todos nós militamos nas nossas rotinas, fechados em nossos lares. Mas a nossa casa há de ter, sim, um pequeno quintal, um espaço cheio de luz. O sol bate generosamente neste recanto dourado e dele usufruímos como recebendo uma bênção curativa.

O sol nos cure neste tempo sombrio e de infinitos presságios. O sol guarde nossa declaração que ficará para mais tarde, para quando a promessa de glória for instaurada na Terra. Eu quero ver, se digna dela for. Almejo pisar o solo sagrado, algo que olho algum jamais viu. A música que ouvido algum jamais ouviu.

Que tipo de homenagem faremos ao tempo em que toda lágrima será enxugada e luto não mais haverá? Nossas palavras terrenas, os dicionários de todos os idiomas do mundo não serão suficientes para as legítimas manifestações de júbilo e gratidão.

Nada a declarar, neste momento, a não ser a expectativa da espera. Esperar tem sido a mais bela profissão, o mais fascinante exercício de viver. Qual o seu ofício? O que é que você faz? Eu espero. Ato da mais sublime esperança. Esperar tornou-se um trabalho, uma atividade, um gesto solidário para quem também espera.

Nada a declarar, esperando que o tempo se cumpra e o universo faça a sua parte. Eu vos declaro marido e mulher. Ah, declaração de sonho. Quem teve um bom casamento, e ainda guarda as recordações do amor, tem tudo a celebrar. Declara que o amor é a dádiva mais pura, pois nada supera a beleza de sonhar.

Nada, nada a declarar a não ser que estamos vivos agora. Por um tempo, ficaremos num estado híbrido, em que a vida está passando, apenas passando. Não, não há necessidade de roupa nova, nem de sapato, bolsa, maquiagem. O que temos dá de sobra. Ponho um brinco, dois anéis. Para ir onde, meu Deus? Declaro que o pouco é muito, nestes meses de tanta dor e saudade.

Saudade de quem já partiu, tangido por este vírus mortal. Gente que entrou no respirador e não voltou mais. Sem velório, pois não pode haver aglomeração. Sem o terço rezado na partida dolorosa, sem o último e triste adeus. E assim, sob este signo funéreo, as almas encontraram seu caminho nos novíssimos do Senhor. Mártires de uma peste misteriosa, desafio para a ciência e a medicina.

Nada a declarar sobre a saudade e a dor. Adianta? O abraço da pessoa querida, sua voz, seu jeito de contar as coisas e de rir delas. Por que já não estão entre nós aqueles que deveriam prosseguir com suas vidas, cheios de projetos e sonhos?

Neste momento de recolhimento, de máximo cuidado para sair às ruas ou ir, por muita necessidade, à casa de alguém, nada, nada a declarar.

Leia Mais:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

20 − vinte =