‘Nada será como antes’, diz gerente regional do Ciesp

Setores administrativos e de linha de produção adotam medidas de proteção. (Foto Divulgação)

De uma forma ou outra, todas as indústrias, sejam elas, micro, pequenas, médias ou de grande porte, foram afetadas pela pandemia. Afinal, nunca passamos por uma situação como essa que estamos atravessando, analisa Homero Scarso, gerente regional do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) Piracicaba.


“Até maio, na indústria de Piracicaba, tivemos 3.521 admitidos e 4.118 desligados, totalizando um saldo negativo de 597 postos de trabalhos perdidos. Também temos o saldo semestral de 2020 da balança comercial de nossa cidade e outros sete municípios que compõem a Diretoria Regional do Ciesp Piracicaba. As exportações em 2020 totalizaram 827,4 milhões de dólares, contra 1,39 bilhão de dólares em 2019, uma queda de 40,7%. As importações somaram 615,2 milhões de dólares em 2020, 31,8% a menos que em 2019, quando atingiram 901,5 milhões de dólares”, compara.

Para Scarso, está sendo um aprendizado muito doloroso. “ Nada será como antes, decisões tiveram de ser adiadas, investimentos postergados, protocolos de segurança implementados, reuniões virtuais em alta. Enfim, a indústria está tendo de se reinventar num espaço de tempo muito exíguo. Temos que acreditar que estamos vivenciando uma batalha, onde o novo é invisível e silencioso e, a exemplo de outros momentos, com certeza, sairemos fortalecidos”, acredita.

Ana Carolina Leal

Especial para o JP