Não volta mais…!

Não se pode discutir a importância do universo tecnológico em que estamos mergulhados atualmente. Até porque gostamos dele, facilita a nossa vida. A comunicação é rápida, tudo se processa de forma admirável, a informação possui grande precisão, fundamentada em fatos que se comprovam por meio de todo este aparato fantástico.

Contudo, deixo o celular de lado e quero sonhar um pouco. O tempo que passou não volta, é certo. Mas nosso coração está lá, na infância querida, nos anos dourados da juventude que saía pelos poros! As serenatas dos nossos pretendentes, os bilhetes, a rosa jogada no terraço da casa, guardada com zelo apostólico, as pétalas bem conservadas dentro dos livros e cadernos.

Tempo de sonho! Tempos em que os parentes e amigos se visitavam. Sim, havia a visita. Era um ritual sagrado, cumprido com devoção. Servia-se um café, um bolo, uma rosca de trança, tudo feito em casa, com muito carinho e simplicidade. Os compadres e as comadres punham a conversa em dia, enquanto a meninada se esbaldava na rua, sem perigo algum.

Foram anos de muita beleza, quando não havia internet, celular, WhatsApp, redes sociais e toda esta tecnologia ambígua que nos aproxima e nos afasta, faz de cada um de nós um ser solitário dentro de nossas casas, com uma legião de amigos que não conhecemos, enviando flores virtuais, abraços e beijos que nunca chegam de verdade, porque percorrem milhas de frieza digital.

Mas nada se compara ao belo tempo da meninice! Meus primos e eu jogávamos peteca, bola, e pulávamos corda até tarde da noite, ali na rua. “Batalhão, união, quem não entrar é um bobão”. Os cavalarianos passavam, lembra? Aqueles soldados imponentes, os cavalos imensos, altos! As ruas eram de paralelepípedos e as ferraduras dos animais faziam um barulho típico, no trote. Eu morria de medo! Era hora de guardar a corda, a bola, e entrar. Havia uma lua no céu e a menina buscava a face primitiva de Deus.

Tudo era sonho. A mãe mandava “lavar o pé”. Temos dois, graças a Deus, mas a ordem era esta mesmo: “Vai lavar o pé antes de deitar”. A cama era um porto seguro. Era proibido ter maus pensamentos, era proibido ficar doente, era proibido não adormecer com a alma em chamas. O futuro nos esperava em alguma daquelas noites maravilhosas. Numa prova de matemática com boa nota. No alto da mangueira frondosa. Nas missas do domingo, assistidas com fervor e fé!

Os cinemas aos sábados! As comédias românticas com Rock Hudson e Doris Day. Os filmes italianos. As paisagens de tirar o fôlego. Música de Henry Mancini. Os faroestes, John Wayne e toda uma constelação de atores naquele cenário seco, pedregoso, os índios atacando, os cavalos que subiam e desciam por desfiladeiros, a poeira entrando nos nossos olhos. Zero-zero-sete. Ah, os agentes tão incrivelmente equipados, quase mágicos. Aquilo tudo nos fazia sonhar.

Uma geração inteira não conhecerá a magia do cinema, ficar de mãos dadas com o namorado, trocar um beijo assim que a luz se apagava. E o nosso hálito perfumado com as balas de anis! Não há Netflix que substitua este encanto, esta graça benfazeja, a delícia de um tempo inesquecível, adoçada pelas balas do seu Passarela, ali ao lado do Cine Politeama.

Não, meus anjos, meus queridos! Não volta mais!…

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

dezesseis + dezessete =