Nos seis primeiros meses, Saúde registra 524 picadas de escorpião

Foto: Amanda Vieira/JP

Em caso de acidente com o aracnídeo, orientação é procurar a Santa Casa de Piracicaba ou a UPA Vila Cristina

De janeiro até 17 de junho, foram registradas 524 ocorrências de picada de escorpião na cidade. Mesmo sendo um indicador 24% menor ante o ano passado – quando foram registrados 651 acidentes no período e 1.464 no ano de 2020, sem óbitos – é preciso reforçar a atenção da população. Os dados são da Secretaria Municipal de Saúde.

O secretário de Saúde, Filemon Silvano disse que os números preocupam. “Mesmo este ano registrando menos casos que em 2020, é possível evitar os acidentes com estes aracnídeos tomando cuidados rotineiros em casa, como a vedação de frestas de portas e janelas e dos ralos, bem como evitar acúmulo de entulho em casa e terrenos”.

A incidência de acidentes com escorpiões tem se intensificado principalmente nas duas últimas décadas. Aumento de temperatura global, construções desordenadas, desmatamento, têm feito com que escorpiões se adaptem ao ambiente urbano com facilidade.

Conforme explica a bióloga do CCZ, Regina Lex Engel, Piracicaba é, naturalmente, endêmica para ocorrência natural de escorpiões devido a sua geografia, condições hidrográficas, geológicas, climáticas e ambientais. “Os escorpiões se adaptaram a utilizar a rede de esgoto como ambiente ideal para viver. Ali há fartura de alimento (baratas e outras pragas), condições ideais de umidade e temperatura e onde não há predadores para eles”, explica.

Até ano passado, a Santa Casa de Piracicaba era o único hospital da região e um dos sete hospitais que integram o DRS10 (Departamento Regional de Saúde), que era Centro de Referência no atendimento às vitimas de picadas de animais peçonhentos. Diante do aumento da incidência de casos, e após a finalização do Plano Regional de Atendimento às Vitimas de Acidentes por Escorpiões (Elaborado em 2019), Piracicaba recebeu mais um PE (Ponto Estratégico), que fica na UPA Vila Cristina.

COMO AGIR
Em caso de picada é importante manter a calma, lavar o ferimento com água e sabão, e seguir imediatamente até um posto de atendimento médico. Crianças menores de 10 anos e idosos são mais vulneráveis. Eles devem ser levados o mais rápido possível para um Centro de Referência.

Fernanda Moraes
[email protected]

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

4 × 3 =