O Mestre dos Mestres da Inteligência Emocional: Jesus

Cada dia que passa não é um dia a mais e sim um dia a menos em nossa vida. Isso não é subjetivo, não precisa de estudo científico e muito menos precisa ser trágico, mas, sim, um alerta positivo. Muitos têm a mania de achar que podem esperar “um dia” para viver ou mesmo para fazer algo. Esta vida é um presente de Deus e devemos valorizá-la, e não vivê-la por viver. O tempo está passando, não espera por ninguém e compreender essa verdade te faz dar valor ao que realmente faz sentido na vida. Claro, se libertar do que te atrasa, te sabota ou te faz sofrer não é tarefa fácil, mas para quem tem atitude e perseverança, fica bem mais fácil e o artigo de hoje tem a intenção de ajudar nesse processo.

O próximo passo é aceitar que sua vida não estará na rota certa até que você tenha a resposta sincera para duas perguntas: 1) O que te motiva a estar vivo? 2) O que você faz com sua vida está coerente com a resposta da primeira pergunta?

Finalmente, é preciso saber navegar (com inteligência) nos obstáculos e desafios que a vida sempre vai proporcionar. Mas quando cito inteligência, cito ela: a inteligência emocional.

O fato é que, sem estes dois ingredientes (sentido para a vida e inteligência emocional), os conflitos, a infelicidade e as doenças vão tomando conta das pessoas e, para estes ingredientes realmente acontecerem e funcionarem, nada melhor que aprendermos com quem realmente é Mestre, neste e em tantos outros temas: Jesus Cristo, que traça o caminho inversamente proporcional às causas desse cenário emocional terrível que assola o Planeta e convida o ser humano a estar num nível sem precedentes de qualidade de vida emocional, física e social. Ele transbordava autoconhecimento, autocontrole e queria proporcionar isso às pessoas, fazendo com que elas refletissem e, consequentemente, ultrapassassem suas próprias fronteiras limitantes. E Ele continua te chamando para uma vida emocionalmente equilibrada e feliz. Depende só de você!

“Eu analisei a inteligência de Cristo criticando, duvidando e investigando as quatro biografias de Jesus, os evangelhos, em várias versões. Estudei as intenções conscientes e inconscientes dos autores das suas quatro biografias. O primeiro resultado é que descobri que o homem que dividiu a história não poderia ser fruto de uma ficção humana. Ele não cabe no imaginário humano. Ele andou e respirou nesta terra”. (Augusto Cury)

Atuando nos sintomas, Jesus Cristo ia direto na raiz emocional das pessoas. Seu alvo não era político, mas sim o interior delas, a alma. Sua proposta era a revolução da mente, a expansão da inteligência (como exemplo cito o poder libertador do perdão, no caso do “atire a primeira pedra” ou do perdão a Pedro) e, expandindo a inteligência, a compreensão de si mesmo e do mundo, ou seja, uma transformação psíquica poderosa. Cristo mostrava claramente que somente com esse processo de libertação emocional interna conseguimos vencer a ilusão do materialismo, da ganância e do individualismo e desenvolvemos sentimentos nobres de altruísmo, resultando em solidariedade, amor-próprio e amor ao próximo, bases da verdadeira felicidade.

Que tal seguir nesta mesma direção, com Ele?