O prefeito deve ser, acima de tudo, um entusiasta de sua cidade

“Nossas áreas prioritárias são: educação, cultura, saúde, mobilidade, segurança pública e assistência” / Foto: Amanda Vieira/JP.

O professor Adelino Francisco de Oliveira, 47 anos, é paulista, filho do casal Paula Mendes de Oliveira e Laurentino de Oliveira Neto. Ele encabela a coligação do PT com o PSOL na disputa pela Prefeitura de Piracicaba.  Adelino é doutor em Filosofia,  mestre em Ciências da Religião e tem  graduação e bacharelado em Filosofia. Na coligação, o advogado, professor e gestor universitário, Thiago Nalesso, 44 anos, fopi escolhido para ser seu vice. 

Como o senhor assume a prefeitura durante a pandemia de covid-19, quais serão as medidas adotadas por sua administração diante da situação da saúde pública?

Estou certo de que o poder público municipal não vem realizando uma gestão eficiente da crise sanitária em Piracicaba. Os elevados números de casos de infecção e de óbitos falam por si. A atenção primária de saúde e a mobilização social não foram priorizadas, denotando a falta de uma liderança segura e firme capaz de convocar e organizar a sociedade para vencer esta grave crise. Nutrimos a expectativa da possibilidade da vacinação em massa já no início da nossa gestão. Porém, tomaremos ainda as medidas necessárias para fortalecer a estrutura hospitalar. Será organizado um comitê de crise e pós-crise participativo, com ações e encaminhamentos intersetoriais.

A cidade de Piracicaba enfrenta problemas no abastecimento de água. Quais suas propostas para essa questão? Está em seu programa de governo a privatização do Semae?

Quando tomou posse em 1989, um dos primeiros desafios do governo do PT em Piracicaba foi justamente enfrentar e solucionar a crise de abastecimento de água – num contexto de falência da capacidade operacional e de investimento do Semae à época. A história teima em se repetir: o sistema de abastecimento de água de piracicaba está novamente sob colapso, as queixas de moradores só aumentam pela falta d’água em suas casas,e medidas urgentes terão que ser tomadas para recuperá-lo, começando pelo fortalecimento e reestruturação do Semae e pelo planejamento e programação de obras no sistema como um todo – inclusive, e principalmente, voltadas à minimização das absurdas perdas de água na rede de distribuição. Isto posto, cabe afirmar que o Semae não será privatizado.

Atualmente o tratamento do esgoto é prestado por um contrato PPP (parceria público privada), se eleito, o senhor pretende manter essa forma de contrato? Em caso negativo, qual sua proposta?

Acredito que é fundamental realizarmos uma auditoria sobre os serviços prestados pela empresa parceira na PPP! Esse contrato deve estar sedimentado nos princípios da transparência, da eficiência e do interesse público. Entendo a importância de se honrar contratos, mas todos os contratos devem sempre garantir e primar pelo bem dos cidadãos e da cidade.

O transporte público é outro serviço que tem sido alvo de críticas dos usuários, quais suas propostas para o setor ?

O governo do PT em Piracicaba revolucionou o transporte público da cidade em sua época. Passados os anos, o sistema se precarizou e encareceu, prejudicando muito as pessoas que dele necessitam diariamente. No meu governo, vamos investir na construção de ciclofaixas e ciclovias como alternativas de transporte.

Com a pandemia de covid-19 empresas e comércio fecharam as portas ou reduziram a produção, algumas demitiram funcionários. Como retomar a produção, incentivar o comércio e atrair empresas para Piracicaba?

O prefeito deve ser, acima de tudo, um entusiasta de sua cidade – deve estabelecer parcerias e buscar investimentos para a superação da crise. Deve também atuar fortemente para que Piracicaba fortaleça a sua condição de pólo regional. É preciso implementar políticas públicas que alavanquem a cidade como um centro de inovação tecnológica. É preciso realizar políticas que fortaleçam as micro e pequenas empresas, na forma de arranjos produtivos locais e dos preceitos da economia solidária e da chamada Economia de Francisco, estimulando associações e cooperativas com apoio técnico, acesso ao crédito e às novas tecnologias, formação profissional, políticas de abastecimento e de comercialização. O turismo cultural também deve ser um fator de desenvolvimento econômico, potencializando a rede hoteleira e gastronômica da cidade.  Será necessária ainda a implementação de políticas públicas que fortaleçam e ampliem a agricultura familiar, gerando emprego e renda às famílias. Programas de formação e fixação de jovens nas regiões periurbanas da cidade e dos seus distritos serão implantados com a perspectiva de implantação de agroflorestas produtivas que possam gerar trabalho e renda com melhoria das condições sociais e conservação ambiental.

Em seu plano de governo, quais áreas são prioridades e, de forma bem resumida, quais as propostas para elas?

As nossas áreas prioritárias são: educação, cultura, saúde, mobilidade, segurança pública e assistência. Na educação, defendemos uma cidade educadora. Construiremos uma educação plural, democrática e inclusiva, comprometida com a formação para a cidadania. A musicalização, brinquedotecas, educação ambiental e temáticas étnico-raciais serão integradas a um currículo dinâmico. Investiremos também na modernização dos espaços públicos da educação, com foco nos preceitos da transição ecológica – e valorizaremos os servidores da educação. Na cultura, implantaremos o projeto “Cultura nos Bairros.” Retomaremos o esplendor cultural da cidade, descentralizando os espaços de cultura e fortalecendo a cultura nos bairros por meio da criação de “Casas de Cultura”. Criaremos ainda editais que darão suporte a artistas e produtores culturais locais. Buscaremos convênios, possibilitando experiências de intercâmbio de artistas.  Requalificaremos e impulsionaremos o programa de uso e ocupação do Engenho Central. A Cultura voltará a ter uma secretaria só para ela. Na saúde, investiremos em saúde preventiva, priorizando a atenção básica de saúde com uma política adequada de oferta de serviços médicos e laboratoriais e de acolhimento e cuidado para com a população. Defenderemos e fortaleceremos vigorosamente o SUS e valorizaremos os profissionais da área de saúde. Na mobilidade, como já afirmei, avançaremos para outras modalidades de transportes na cidade. Investiremos, como já afirmado, em ciclofaixas e ciclovias. Na segurança, fortaleceremos, valorizaremos e modernizaremos a Guarda Civil Municipal, ampliando seu efetivo e preservando o seu papel de policiamento preventivo. Na assistência, estabeleceremos políticas públicas voltadas para as pessoas e famílias em situação de risco e vulnerabilidade social, priorizando ações que garantam proteção, segurança alimentar e geração de renda. Todas as ações passam pelo fortalecimento do sistema único de assistência (Suas) como direito do cidadão e dever do estado.

Pretende aumentar (ou manter) verba para a OSP?

Penso que a Orquestra Sinfônica de Piracicaba é um importante patrimônio da cidade e, a exemplo de outros projetos culturais, será tratada com o respeito que merece. Vamos levar suas apresentações também para os bairros, promovendo a democracia cultural.

Como pretende melhorar a segurança na cidade?

Em relação à segurança, é importante frisar que segurança pública não se restringe a ações repressivas e de combate ao crime. Precisamos de uma sociedade mais justa e equânime, assegurando políticas públicas de qualidade à população, sobretudo as relacionadas ao esporte e lazer, educação e cultura. Sob a égide municipal, como afirmei acima, vamos fortalecer a Guarda Civil Municipal, ampliando seu efetivo.

Há planos de reforma ou solução para a Praça José Bonifácio?

A situação de abandono da Praça José Bonifácio é o espelho do marasmo e do descalabro administrativo que impera na cidade hoje. Essa situação se repete em outros logradouros públicos emblemáticos de Piracicaba, como o Engenho Central e o Parque do Mirante. Sem dúvida, sua revitalização será priorizada já no alvorecer do meu governo – atendendo a preceitos arquitetônicos e paisagísticos modernos.

Como pretende estimular o crescimento econômico da cidade?

Piracicaba é uma cidade pujante, que deve reivindicar seu protagonismo regional. Pude discorrer já nas respostas anteriores sobre como vamos potencializar a economia piracicaba. Em todo caso, cabe retomar aqui, partindo do que já foi exposto acima, que é preciso implementar políticas públicas que alavanquem a cidade como o “Vale do Silício” do interior paulista – fortalecendo a cidade como um centro de inovação tecnológica.

Da Redação

LEIA MAIS:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

2 + 9 =