O Professor

“O professor é inteligente, mas não é inteligente ser professor” (Júlio Camargo – A Arte de Sofismar).

Um dos grandes dilemas atuais é o de escolher a profissão. O século XXI afigura-se como o século da informação, indispensável para o conhecimento. O mundo, em acelerado processo de mudanças, exige conhecimento e habilidades sempre em maior quantidade. Pais e professores sentem-se impotentes, quando se trata de aconselhar aos seus filhos, uma carreira a seguir. A angústia deles não é menor. Diante do abrangente leque de opções ficam aturdidos. Como decidir? Escolher a profissão que o atrai ou aquela que lhe acena com maiores proventos?
Aquilo que a antiga pedagogia preconizava – ensinar a aprender continua valendo. Transmitir conhecimentos é útil, inculcar a importância de desenvolver, no grau mais elevado possível, a aprendizagem, dominando os modernos processos e métodos, conseguindo que seus discípulos incorporem valores indispensáveis à nova sociedade: educação ambiental, visão cosmopolita e não xenófoba; valorização dos direitos humanos e aquisição de habilidades que lhes permitam sobreviver, devem ser a principal função do professor do século XXI.
Introduzir o conceito de aprendizagem permanente e apropriada ao mundo atual, alcançando que os discípulos saibam separar o joio do trigo, ao antepararem-se com a fabulosa quantidade de informações e insinuações da Internet, dos novos hábitos e padrões de comportamento, é uma tarefa hercúlea para os atuais mestres.
Sabe-se que quanto melhor forem as escolas que educam, não apenas para conquistar uma profissão, mas para uma vida em sociedade, menor será a taxa de marginalidade.
O mestre prepara para o futuro. Ele jamais saberá o alcance e o efeito de seus ensinamentos. Com certeza marcará de maneira indelével a mente e os corações de seus alunos, mesmo daqueles que no momento, não estão dispostos a se deixarem moldar.
Estamos comemorando mais um dia do professor. Ultimamente, mesmo quando esta data não caia em um domingo, como hoje, são raríssimas as escolas que promovem alguma comemoração e os alunos festejam apenas a ausência de aulas…
Da mesma forma como a educação real sofreu uma sensível queda de qualidade, quando se avalia a ética, a cidadania e mesmo o conhecimento abrangente e sólido, a função do professor também passa por devastadora desvalorização.
Os principais responsáveis pelo progresso, os professores, obrigados a jornadas absurdas, maiores do que as impostas aos proletários da primeira Revolução Industrial, enfrentando classes superlotadas com os alunos acomodados em carteiras que são um atentado à saúde e à pedagogia, com remuneração incompatível e insuficiente, sem condições para atualizarem-se, sem verbas para pesquisas, alguns ministrando aulas em até cinco escolas diferentes, indo de uma cidade para outra, não querem comemorações – não há o que comemorar. Os mestres desejam muito o apoio das comunidades, da sociedade e dos pais, aos quais servem, por enquanto, na categoria de servos, não de mestres.
Júlio Camargo em sua arte de sofismar, ao mesmo tempo em que admite que o professor seja inteligente, afirma que não é inteligente ser professor, a atual condição do educador, que se deteriora a cada ano que passa, o desprezo da maioria pela união da classe, inviabilizando qualquer sucesso reinvidicatório, coloca em choque a afirmação inicial de Júlio Camargo. Ser inteligente não é virtude, a biologia afirma que é genético…

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

dois × 4 =