O que fazer no momento em que seu pet entra em trabalho de parto? Dicas de como ajudar e cuidados

Foto: Freepik

Entenda tudo sobre o pré-natal, sinais de risco, nascimento e a atenção que o pós-parto requer

Os primeiros dias de desenvolvimento de cães, gatos e são momentos de muita ternura, inclusive durante o parto. No entanto, o nascimento é delicado e requer muitos cuidados por parte de quem o acompanha.

De acordo com Amanda Tartarelli, médica veterinária especialista em obstetrícia e reprodução animal, os pets podem apresentar alguns indícios de gravidez. “Nas cadelas, os sinais clássicos gestacionais são ganho de peso e aumento das mamas. Geralmente, ficam mais evidentes somente na segunda metade da gestação”, diz.

As gatas também apresentam mudanças na aparência abdominal e mamária, embora, segundo a especialista, elas sejam muito menos evidentes, e podem passar despercebidas até as últimas semanas de gestação. “O indicado é agendar uma consulta com o veterinário especializado para o correto diagnóstico”, orienta.

PRÉ-NATAL
Este acompanhamento é fundamental e, da mesma forma que ocorre com humanos, deve incluir o pré-natal. O especialista pode pedir alguns exames laboratoriais para avaliação geral da saúde e uma ultrassonografia para confirmação da prenhez, bem como análise do desenvolvimento fetal, evolução da gestação e diagnóstico de possíveis anormalidades. Já a radiografia é requisitada para a contagem correta da quantidade de fetos. Alguns sinais deduram que o parto está próximo, como presença de leite nas mamas, inquietação por parte da mãe, isolamento, confecção de ninho, ação de cavar, relutância à atividade física, período intermitentes de inapetência, vômitos ocasionais, rompimento da bolsa e liberação de secreção. Há também todo o ritual semelhante aos dos humanos, como sessões de contrações e dores, além da dilatação da pelve.

PARTO
“A atenção se mantém necessária. No caso de um diagnóstico de gravidez de risco, o parto ocorra no hospital ou clínica veterinária para que os médicos intervenham imediatamente diante das emergências. No caso de gestações normais, o nascimento pode ocorrer em casa”, explica Camila Infantosi Vanucchi, professora doutora responsável pelo Serviço de Obstetrícia e Ginecologia de um Hospital Veterinário.

Na hora do parto, o tutor deve ainda fazer vigília permanente desde o início até a expulsão de todos os filhotes, e evitar a intervenção ao máximo. Deve também se atentar às contrações e intervalos entre os nascimentos, contar os filhotes nascidos e as placentas e observar a interação da mãe com os filhos. É do instinto da fêmea fazer o parto sozinha. Quando um filhote nasce, a mãe rompe o saco amniótico e come os anexos embrionários enquanto massageia o filhote para que ocorram os movimentos respiratórios. Ela também pode ingerir a placenta, depois de expulsa.

Ela indica que o tutor deve checar se todos os recém-nascidos estão mamando e se não possuem malformações. No caso de qualquer alteração, deve-se entrar em contato com um veterinário especialista.

Laís Seguin
[email protected]

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

dezoito − 11 =