Organização financeira é essencial para enfrentar crise, diz especialista

Usar suas economias com consciência ode ajudar a enfrentar o futuro pós-pandemia (Foto: Claudinho Coradini/JP)

À beira de uma recessão, Piracicaba e todo o Brasil, quiçá o mundo, enfrentam dias incertos e de insegurança econômica diante do avanço da Covid-19 (novo coronavírus), que continua a hospitalizar pessoas de todas as idades, sem um tratamento eficaz devidamente testado e comprovado para minimizar danos, especialmente no que diz respeito à renda mensal dos cidadãos e famílias. Diante da eminente crise, consultores financeiros pregam que uma organização das finanças é fundamental para enfrentar os eventuais apertos e emergências nos próximos meses.

“A crise que se instalou no mundo em razão do coronavírus trouxe enorme insegurança para a economia, com o fechamento de lojas, academias, shoppings e estabelecimentos comerciais em geral. Ainda não se sabe exatamente quais serão as reais consequências, mas fica o alerta para todos: é preciso estar organizado financeiramente para os imprevistos”, destaca Gustavo Bismarchi Motta, sócio-proprietário do escritório Bismarchi, Pires e Peccinin Sociedade de Advogados.

Como explica o advogado especialista em recuperação judicial e reestruturação de negócios, o primeiro passo para qualquer organização financeira é deixar as desculpas de lado e fazer da economia um hábito. “O equilíbrio das finanças é crucial para o futuro de qualquer pessoa, que poderá realizar seus objetivos e se aposentar com mais tranquilidade”. Bismarchi ressalta que a organização financeira pode ser iniciada a qualquer momento. “É relativamente simples”.

Alimentação, por certo, é uma prioridade neste momento, mas existem outros gastos diários. Para pontuar as prioridades, o advogado sugere que se pontue, também, o que pode ser supérfluo, sempre tratando a economia pessoal com seriedade. “Anote em um caderno ou em um aplicativo o que recebeu e o que gastou, para ter uma visão clara do que pode ser cortado. Fazer as refeições em caso gera uma economia considerável, mas esse é apenas o primeiro passo”, ele afirma.

Outra dica do especialista é dividir o orçamento por categorias, como aluguel da casa, financiamento do carro, que são gastos fixos difíceis de reduzir. “É possível tentar uma renegociação para redução dos valores. De outro lado, nos gastos variáveis, existem valores de contas de energia elétrica, internet, telefone, supermercado e transporte, contas essas muito mais fáceis de economizar, com algum esforço pessoal”.

A organização, destaca o advogado, é essencial para não gastar mais do que a pessoa ganha. “Se faltou dinheiro é sinal de que tem algo a ser cortado para que os gastos se adequem ao seu padrão de vida”. Para tanto, uma dica emergencial é substituir produtos de marcas famosas por mais baratas, com qualidade similar, cancelar serviços pouco utilizados como celular de conta mensal, canais de televisão pagos, assinatura de revistas.

O uso desenfreado do cartão de crédito, pondera Bismarchi, pode ser o ‘vilão’ do controle financeiro. Prefira compras à vista onde é possível negociar o preço e você não es expõe a imprevistos, como a grave crise que estamos enfrentando”.

Erick Tedesco