O outono, que chega dia 20 de março, é sinônimo de manhãs e noites mais frias, ainda um pouco chuvosas, e esta mudança de temperatura requer cuidados especiais com os pets, principalmente para evitar doenças respiratórias ou as chamadas doenças crônicas articulares, como a osteoartrose. A umidade e o frio aumentam os sintomas de dor em cães e gatos com problemas nas juntas e o tutor deve ficar atento, para levar o animalzinho ao veterinário se necessário.

Natália Gouvêa, veterinária especializada em nutrição e fisioterapia, conta que, no frio, os sintomas visíveis nos pets devido à mudança de temperatura são nariz escorrendo, extremidades geladas, como ponta de nariz, orelha e patas, espirros, tosse e falta de apetite.

E redobrar a atenção, afirma Nathália, é a melhor prevenção. “O frio e a umidade podem fazer com que o animal fique gripado, tenha uma pneumonia. A umidade em excesso também pode trazer alguns problemas de pele”.

Para prevenir, a veterinária sugere que os tutores coloquem roupinhas nos seus pets quando estiver esfriando. “Lembrando que animais de pelo longo têm que tomar cuidado com as roupinhas, tem que tirar todo dia e escovar o pet, porque pode formar muitos nós e, às vezes, precisa tosar em máquina zero. Então, minha recomendação são roupinhas, caminhas, cobertores e retirar o animal do ambiente externos”, destaca Natália.

Osteoporose, dores articulares e de coluna elas não são mais presentes durante o frio, desmistifica a veterinária. “Já existem, são doenças crônicas, que o animal provavelmente já tem. O que acontece, é que nesse período de frio, o animal está fazendo mais vasoconstrição para poder se aquecer, ele sente mais dor. Isso nos humanos também é assim, no frio quem tem problemas nos ossos vai sentir mais dor”.

No entanto, pouco se deve mexer na rotina do pet durante o outono e nunca deixar de passear. “É essencial levar seu pet passear, mesmo no outono. No entanto, o ideal é procurar os horários mais quentinhos do dia para passear. De resto, não é preciso alterar muito a rotina”, fala Nathália.

Quanto aos banhos, a veterinária apenas sugere que dê banhos nos pets em dias mais quentes, mas sem a necessidade de ficar um período maior sem a higiene mais pesada no animalzinho. “Os banhos são necessários, não vejo motivo para que se pare de dar banho, porém eu sugiro, se existir a possibilidade, dar banho em um período ou um dia mais quente, seria a melhor opção. Não sugiro que mude o banho e sim que transfira para um dia mais quente”.

Ela também despreocupa os tutores quanto a possíveis surtos de carrapatos neste período. “Não costuma ter tanto carrapato. Os carrapatos, pulgas, são bichinhos que aparecem mais em épocas quentes e um motivo é pelo ciclo deles, no ciclo de procriação deles, eles nascem e estão na fase de procriar no verão, então por isso que tem mais”, completa Natália.

Erick Tedesco ([email protected])

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

um × três =