Setor de vestuário, tecido e calçados é o segundo mais atingido pela crise no estado | Foto: Amanda Vieira/JP

A crise econômica gerada pela pandemia fez com que 32% dos pontos comerciais da cidade fechassem as portas até o começo de setembro, segundo levantamento da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) de Piracicaba.


E mesmo com a retomada das atividades, o cenário de instabilidade causa dúvidas nos comerciantes sobre o futuro dos negócios. Outra pesquisa da CDL, do começo de outubro, mostra que, a depender das vendas de final de ano, de 18% a 22% dos negócios vão fechar na cidade no início de 2021.


“Tem empresário que fala ‘estou aqui porque a minha esperança é que as vendas de dezembro deem para eu pagar as dívidas para eu não dispensar ou para poder pagar funcionário que tive que mandar embora’. Tem empresa que fala que não dá, que vai ficar até o Natal e olha lá”, comenta o presidente da CDL Antonio Pedro de Carvalho.


De acordo com dados da Fecomércio (Federação do Comércio do Estado de São Paulo), em todo o estado, lojas de vestuário, tecidos e calçados estão em segundo lugar dos setores mais atingidos pela crise, ficando atrás apenas das concessionárias de veículos, e têm perda estimada em 19,5%, ou seja, R$ 11,8 milhões, no faturamento deste ano em relação ao ano anterior.

LEIA MAIS:


Uma das ações para manter o emprego e segurar a crise, o programa que autoriza empresas a suspenderem o contrato ou a reduzirem a jornada de trabalho e os salários dos funcionários foi prorrogado até 31 de dezembro.


Para o presidente do Sincomércio (Sindicato do Comércio Varejista de Piracicaba e Região), Itacir Nozella, o programa é essencial. “Foi de suma importância para a sobrevivência das empresas, especialmente as pequenas, que conseguiram, com isso, reduzir seus custos e manter seu fluxo de caixa em um período no qual houve significativa redução de faturamento”, diz.

Já para Carvalho, mesmo as ações do governo não foram suficientes para impedir o impacto negativo das empresas, que precisaram fechar as portas.

Andressa Mota

[email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

8 + 15 =