Pandemia do coronavírus afeta economia no Brasil

Vice-presidente da Fiesp e do Ciesp (centro) participou de encontro com empresários. (Crédito: Claudinho Coradini/JP)

O novo coronavírus já traz reflexos negativos para a economia brasileira. A afirmação é do 2º vice-presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), José Ricardo Roriz Coelho, durante um encontro fechado com empresários e a diretoria regional do Ciesp, nesta quinta-feira (12), em Piracicaba.

Roriz, que também é diretor titular do Decomtec (Departamento de Competitividade e Tecnologia), apresentou as perspectivas para o cenário econômico brasileiro.



Durante a explanação a um grupo de 40 empresários de pequenas, médias e grandes empresas e executivos de multinacionais, Roriz chegou a comparar o impacto do Covid-19 à greve dos caminhoneiros no ano passado.

Ao público de sua apresentação, ele recomendou se atualizar sobre a conjuntura do coronavírus e ficar atento às orientações das autoridades em saúde. “É preciso preservar a saúde dos seus funcionários”, afirmou acrescentando a necessidade de atualização quanto as informações sobre a doença.

Em segundo momento, o representante da Fiesp e do Ciesp aconselhou os empresários a observarem as questões ligadas a formação de estoque, crédito, capital de giro. “A depender do impacto dessa crise (com coronavírus) a empresa que não olhar para demanda poderá ter problemas futuros, mesmo passando a crise, vai impactar lá na frente”, afirmou.

Roriz disse que a expectativa do setor produtivo para o início deste ano era de crescimento entre 2% a 2,5%, o que não será possível por causa do coronavírus.

Ele também apontou a necessidade de aprovação da Reforma Tributária que, para ele, é a única maneira de trazer mais investimentos para o país.

Ele também criticou a queda de braço entre o Governo Federal e o Congresso Nacional e apontou que a situação só prejudica o Brasil.

“O presidente (Jair Bolsonaro) precisa parar de falar bobagem e inventar uma crise a cada minuto”, afirmou acrescentando que o coronavírus foi uma pá de cal na crise.



Beto Silva

be[email protected]