Pandemia reduz em mais de 50% o tratamento de hepatite

Foto: Santa Casa de Piracicaba/Divulgação

Hepatites virais são a causa de morte de cerca de 1,7 milhão de pessoas por ano no mundo

Em 2017, o Brasil figurava entre os países mais comprometidos coma eliminação das hepatites virais. No ano seguinte, 2018, o país ampliou as modalidades profiláticas, prevendo acesso universal ao tratamento para todas as pessoas com infecção pelo vírus da hepatite C.

O planejamento das ações no País e seus resultados colocavam o Brasil em situação favorável ao cumprimento das metas previstas no Plano para Eliminação da Hepatite C.

No último ano, porém, o Brasil retrocedeu nas metas estabelecidas pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e os indicadores de tratamento da doença tiveram queda de mais de 50% em relação ao ano anterior, provavelmente em razão da crise sanitária da covid-19.

Entre os anos de 2000 e 2018, foram notificados mais de 670 mil casos de hepatites virais no Brasil, com cerca de 75 mil óbitos; 76% devido à hepatite C, a única que não possui uma vacina, embora os novos tratamentos antivirais levem à cura 95% das pessoas medicadas no País.

Para controlar e até mesmo eliminar a doença, a OMS criou em 2010 o Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais. Desde então, a data é celebrada todo dia 28 de julho para lembrar que essas doenças causam a morte de cerca de 1,7 milhão pessoas por ano no mundo.

De acordo com o infectologista Hamilton Bonilha de Moraes (CRM 51.466), coordenador do SCIH– Serviço de Controle de Infecção Hospitalar da Santa Casa de Piracicaba, as hepatites virais são doenças infecciosas sistêmicas que afetam o fígado, ou, em uma explicação mais simples, provocam inflamações do órgão.

O médico lembra que a grande maioria dos infectados não sabe que tem a doença. “Por ser silenciosa, quando começa a apresentar sintomas o quadro já evoluiu para uma cirrose ou câncer hepático”.

Segundo ele, levantamento feito pelo “Brazil’s Fight Against Hepatitis C”, com dados do Ministério da Saúde, constatou que o número de mortes por Hepatite C no Brasil diminuiu em 25% entre os anos de 2014 e 2018.

“Essa redução se deve aos tratamentos oferecidos pelo SUS que, desde 2016,oferece uma associação de antivirais mais eficaz”, revelou o infectologista. Ele lembra que a OMS determinou eliminar o vírus até 2030. Mas se nada for feito para reverter a tendência atual, até lá, cerca de 115 milhões de pessoas terão sido infectadas.

Bonilha alerta que, diante dos atuais acontecimentos, é preciso que os municípios incluam nos seus Planos Municipais de Saúde ações que visem a implementação das novas diretrizes da atenção básica, garantindo o funcionamento adequado do tratamento de pacientes com hepatite C. “Isso atenderia ao compromisso do País com as metas estabelecidas pelo Plano de Eliminação da Hepatite C”, reforça.

Da Redação

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

quinze − 10 =