Enfrentar hospitais lotados e uma doença com sintomas e tratamentos desconhecidos foi, segundo Laila, o primeiro grande desafio para a categoria. (Foto: Freepik)

A vida de todas as pessoas, em todo o mundo, foi afetada pela pandemia e isso, segundo a enfermeira Laila Peniche Abacherli Pivari, trouxe à tona a necessidade de mais profissionais qualificados para atuar nos hospitais, valorizando o trabalho de enfermagem durante este período. “Os enfermeiros são a linha de frente da Covid-19, realizando o primeiro atendimento e colocando a própria saúde em risco em prol dos afetados pela doença e, em meio à pandemia, mostraram a importância destes profissionais na equipe de atendimento à saúde”.



Enfrentar hospitais lotados e uma doença com sintomas e tratamentos desconhecidos foi, segundo Laila, o primeiro grande desafio para a categoria. “As equipes tiveram de encontrar diferentes maneiras de se organizar, atender um aumento na demanda de pacientes com queixas da nova doença e ao mesmo tempo continuar a dar o devido atendimento aos pacientes com doenças crônicas”.



Laila conta que foram necessárias improvisações em meio ao desconhecido, fazendo uso de condutas imediatas, buscando soluções para cada novo problema encontrado pela equipe, mostrando habilidades com equipamentos médicos, dos avançados aos mais simples, para combater efetivamente a pandemia. “Além de todas essas ações, a boa comunicação trouxe resultados positivos em meio ao caos da pandemia, colocando ainda mais em evidência as habilidades do profissional de enfermagem”.



De acordo com o site de empregos Catho, em pesquisa realizada em março de 2020, logo no começo da pandemia, as vagas para enfermeiros no país tinham aumentado, em comparação a março de 2019, em 397%, as de técnicos de enfermagem em 708%, e as de enfermeiros de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) em 718%.



“Não só no Brasil, mas em todo o mundo houve a necessidade urgente de contratação de enfermeiros e técnicos de enfermagem porque, além da construção de hospitais, hospitais de campanha e da alta demanda de pacientes, muitos dos colegas foram sendo contaminados com a Covid-19”, reforça Laila. Segundo o site do Ministério da Educação, ainda em agosto esta demanda continuava, pelo registro da reabertura de inscrições da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserth) para a contratação temporária de profissionais da saúde, entre eles os enfermeiros, ainda visando o combate à pandemia.



De acordo com o site de notícias americano, KSL, no início de novembro, 31 enfermeiras do Sistema NewYork – Presbyterian Hospital chegaram no Estado de Utah, nos Estados Unidos, para ajudar a rede de hospitais Intermountain por causa do contínuo aumento dos casos de Covid-19, mostrando mais uma vez na avaliação de Laila, o déficit na área de enfermagem também naquele país. Para a enfermeira, a área de Home Care (cuidados em domicílio) também teve um rápido crescimento durante o período da pandemia em todo o mundo, pois a pressão financeira sobre os hospitais para dispensar pacientes o mais rápido possível, resultou em mais pessoas realizando seus cuidados de saúde em casa.



Para Laila, todas essas demandas mostraram mais fortemente a importância do trabalho dos enfermeiros, as dificuldades, necessidades e abriram caminho para diversas discussões, mas também para uma maior valorização no mercado. “Somos uma parte dos profissionais que junto com toda a equipe de saúde se dedica a cuidar com afinco das pessoas que chegam até nós, com profissionalismo e humanidade, acima de tudo em uma pandemia como esta”, finaliza.



Website: https://www.linkedin com/in/laila-pivari-9b9784b3/?originalSubdomain=br

FONTE: Agência Estado.

LEIA MAIS:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

5 × 4 =