A Penitenciária Masculina de Piracicaba
começou a produção de máscaras de tecido (TNT) que serão usadas
pela população carcerária. A previsão é que até a próxima
semana pelo menos 1,9 mil unidades serão feitas pelos próprios
detentos do presídio. Posteriormente, os presos poderão auxiliar o
CDP (Centro de Detenção Provisória) e CR (Centro de
Ressocialização) Carlos Sidnes de Souza Cantarelli, de Piracicaba.
O material foi cedido por colaboradores e a produção terá custo
zero ao Governo do Estado.

As máquinas de costura foram cedidas pela
pastora Giovana Ferreira Costa, da Igreja Evangélica de Missões,
que realiza um trabalho em unidades prisionais há 17 anos.

“Fico muito feliz em poder ajudar nesse
momento, só sinto em não poder estar por perto para auxiliá-los”,
afirmou a pastora.

Giovana disse que inicialmente, algumas colaboradoras fizeram algumas máscaras que foram cedidas para os funcionários da unidade.

Reclusos adotam medidas de prevenção dentro da unidade (Divulgação)

“Fui procurada pelos diretores Élcio
(Bonságlia) e Marcelo Alves Correia (Segurança e Disciplina) sobre
a possibilidade de ceder alguns equipamentos que pudessem ser usados
dentro da unidade para a produção de máscara para os presos, pois
entenderam que eles também precisar ser protegidos contra a
covid-19. Amei a ideia, pois sei o quanto é necessário ter o
trabalho dentro do presídio”, enfatizou a pastora.

A diretora do Centro de Reintegração e
Atendimento à Saúde da Penitenciária Cleide Coelho da Silva Santos
ajudou na arrecadação de linhas e demais materiais usados para a
produção das máquinas.

AÇÕES

De acordo com a direção do presídio, na
unidade são realizados diariamente a higienização e desinfecção
de setores e celas. Após a reunião realizada com diretorias de área
verificou-se mobilização extremamente positiva. “Com o empenho de
todos e o trabalho que vem sendo realizado em conjunto por todas as
áreas, sobre tudo o Centro de Segurança, de Reintegração e Núcleo
de Saúde, nosso objetivo é fornecer máscaras para 100% da
população carcerária da Penitenciária de Piracicaba”, de acordo
com nota.

A entrega das máscaras aos reclusos está sendo realizada progressivamente, conforme a produção. Os reeducando ainda estão sendo orientados a fazer a higienização, com materiais de limpeza também fornecidos pela unidade, antes da utilização, conforme orientação do Ministério da Saúde.

As máscaras estão sendo produzidas de forma organizada e em ambiente apropriado, com todas as precauções de segurança e saúde.

Cristiani Azanha

[email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

6 + cinco =