• Pet na folia? Será que é boa ideia?
  • Pet na folia? Será que é boa ideia?
  • Pet na folia? Será que é boa ideia?
  • Pet na folia? Será que é boa ideia?

Pet na folia? Será que é boa ideia?

cat standing inside heap of colorful paper streamer,white background, shower of confetti on fur

Em época de Carnaval, os donos dos pets podem sentir-se culpados em deixar os bichinhos sozinhos em casa enquanto saem para se divertir. Apesar de a recomendação veterinária principal ser a de deixar os animais de estimação no lar, algumas dicas podem amenizar o stress de quem não abre mão de levar o mascote para os bloquinhos.

De acordo com o veterinário Marcello Machado, é importante prestar atenção na índole dos animais para verificar se eles se comportarão bem em meio à folia. “Muito barulho, concentração de pessoas e calor excessivo podem deixar o cão muito estressado. Para curtir o carnaval tranquilamente, aqueles que gostam de entrar na multidão tem como melhor opção deixar o animal em casa, ou com alguém de confiança. Todavia, se o projeto for realmente levar o pet para o bloco, essa é uma experiência mais adequada para cães com uma índole mais tranquila”, explica. “Os mais agressivos, ansiosos ou estressados não devem ser levados a esse tipo de ambiente”.

Além dos cães maiores, cuja agressividade pode causar grandes problemas, é preciso cuidado especial com os pequenos, que correm o risco de se perderem facilmente na multidão ou, pior ainda, de serem pisoteados pelos foliões distraídos. É sempre importante mantê-los bem firmes na coleira, evitando os agrupamentos.

Assim como é necessário que as pessoas se mantenham hidratadas, o mesmo vale para os bichinhos. “Fique mais distante dos grandes aglomerados, evite os horários mais quentes do dia, procure locais com sombra e ofereça água fresca”, orienta o veterinário.

FANTASIA

No Carnaval, se os humanos se produzem para usar roupas que não usariam em nenhuma outra época, a história tem que ser um pouco diferente para os mascotes. “Fantasia é algo que provavelmente eles escolheriam não usar, se pudessem opinar. Porém, caso o tutor deseje colocar seu cão na brincadeira, certifique-se que seu pet não se incomoda com o acessório. A fantasia deve ser leve e de tecido respirável. Preste atenção para ter certeza de que a roupa não o machuca e não estrangula”, aconselha Marcello.

O BARULHO

Os cachorros tem uma audição muito mais apurada do que a dos seres humanos. Para se ter uma ideia, enquanto as pessoas detectam sons apenas entre 16 e 20.000 hertz, os peludos conseguem escutá-los entre 10 e 40.000 hertz – uma grande diferença! Para levá-los à folia, todo cuidado é pouco para não afetar a audição dos peludos e gerar ainda mais stress. Marcello Machado afirma que tufos de algodão podem ser colocados no ouvidos para abafar os ruídos, mas não resolvem o problema completamente. Na hora de tirar os tampões, não deixe nenhum resto de algodão.

Mariana Requena