Prefeitura diz que as redes pública e particular de Piracicaba têm 100 UTIs para covid-19 (Foto: Amanda Vieira/JP)

A Prefeitura de Piracicaba aumentou em 76% o número de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para tratamento de pacientes com covid-19. Segundo a administração municipal, as redes pública e particular de Piracicaba têm 100 UTIs (com respiradores) para o atendimento exclusivo dos pacientes com a Covid-19. A informação foi divulgada ontem pelo prefeito Barjas Negri (PSDB) durante reunião com o grupo de trabalho do coronavírus. No início da pandemia, em março, a cidade tinha 57 leitos de UTIs e com articulações foram instalados mais 43 novos aparelhos.

O número de 100 leitos foi ratificado pelo secretário municipal de Saúde, Pedro Mello, que destacou a importância do fortalecimento da retaguarda hospitalar no atendimento às pessoas contaminadas pelo coronavírus.

Ele também comentou que, com a transformação da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Piracicamirim na Central de Atendimento da covid-19, foi possível a instalação de mais sete novas UTIs, o que elevou de três para dez o número de leitos disponíveis para os pacientes do coronavírus.

Segundo o prefeito, a primeira reunião em março com todos os representantes dos hospitais da cidade – públicos e privados – serviu para avaliar a capacidade de atendimento diante da chegada da pandemia, principalmente o número de UTIs, porque uma parte das pessoas infectadas com o coronavírus precisa de internação prolongada em leitos de emergência.

NÚMERO BOM
Em março, eram 57 leitos, número considerado bom pelo prefeito, se comparado a outras cidades da região. Porém, foi possível ampliar para 100, o que deixa a cidade hoje com capacidade acima da média de muitos municípios brasileiros.

Barjas ressaltou a forte mobilização e planejamento para a elevação do número de UTIs na cidade, que envolveu o trabalho de servidores da Prefeitura (Secretaria de Saúde), das direções dos hospitais, e os apoios da Câmara de Vereadores e de deputados estaduais, mas principalmente o Governo do Estado.

Somente o Estado, dentro da sua política de combate ao coronavírus, cedeu 37 novos respiradores para o Hospital Regional Dra. Zilda Arns (20 aparelhos), UPA do Piracicamirim (7), Santa Casa (5) e Hospital dos Fornecedores de Cana (6).

INTERIOR COM MAIS CASOS
Em apenas quatro dias, a pandemia avançou 28,7% a mais fora da cidade de São Paulo; Governo de São Paulo reforça capacidade hospitalar em todo o estado.

O rápido avanço do coronavírus no interior e litoral de São Paulo reforçou o alerta do Governo do Estado em relação a casos e mortes por covid-19.

Em quatro dias, o percentual de novos contaminados fora da Capital praticamente dobrou em relação ao mesmo índice da semana anterior.

De acordo com dados da Secretaria de Estado da Saúde e do Centro de Contingência do coronavírus, entre os dias 14 e 20 de junho o interior registrou 17.932 novas contaminações por coronavírus, enquanto que na Capital o total foi de 15.342. Assim, o avanço da pandemia fora da Capital foi 14,5% maior.

Já nesta semana, apenas no intervalo entre domingo e quarta-feira o interior viu 10.752 novas confirmações de casos, ante 7.670 na Capital.

Em apenas quatro dias, a pandemia avançou 28,7% a mais fora da cidade de São Paulo. Também pela primeira vez, o número absoluto de mortes por covid-19 no interior (6.677) superou o da Capital (6.675) ao longo da pandemia.

“A diferença é muito grande nessa taxa de incidência de casos. Isso nos leva a projetar o aumento significativo que teremos no interior do estado”, afirmou o secretário executivo do Centro de Contingência, João Gabbardo. “A taxa de transmissibilidade tende a reduzir bastante na Capital e aumentar no interior do Estado”, acrescentou.

PREOCUPANTE
Já o Secretário de Desenvolvimento Regional do Estado, Marco Vinholi, reforçou a preocupação com o agravamento da pandemia fora da Capital. “A aceleração tem se dado em novos casos e também em óbitos. Nós temos alertado o interior e apoiado com aumento da capacidade hospitalar em todo o território do estado”, disse.

Até agora, o Governo de São Paulo já distribuiu 2.266 respiradores a hospitais públicos e filantrópicos na Capital, interior e litoral para ampliar a oferta de leitos de terapia intensiva para pacientes graves de covid-19.

Também houve investimento de R$ 60 milhões em EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) para profissionais de saúde.

Ontem foi anunciada a distribuição de 2 milhões de máscaras que são utilizadas em UTIs, e 1,5 milhão de máscaras cirúrgicas para hospitais públicos e filantrópicos.

CASOS EM PIRACICABA
Nos últimos quatro dias Piracicaba registrou 298 novos diagnósticos de covid-19. Só ontem, foram 50 confirmações. Com isso, a cidade contabiliza 2.074 infectados pelo coronavírus.

Piracicaba também registrou ontem mais duas mortes por covid-19. As vítimas foram uma senhora de 95 anos e um senhor de 74 anos. Com isso, o número de mortes na cidade aumenta para 82.

Em relação aos infectados, foram mais 50 pessoas contaminadas com o vírus, sendo 25 mulheres (idade entre 11 e 78 anos) e 25 homens (idade entre 18 e 69). Com isso o número de casos positivos na cidade aumenta para 2.074.

A cidade registrou mais 40 pessoas recuperadas da doença, elevando esse número para 1.381. O município ainda conta com 611 pessoas em tratamento, 821 casos suspeitos e 3.558 casos descartados.

1º LUGAR EM CURAS
De acordo com a Agência Brasil, o país ultrapassou os Estados Unidos e se tornou o país com maior número de pessoas recuperadas de covid-19 no mundo, informa a Universidade Johns Hopkins, que tem monitorado a pandemia do novo coronavírus em parceria com órgãos equivalentes ao Ministério da Saúde em todos os países.

O painel da Johns Hopkins mostra, no momento da reportagem, que o Brasil contabiliza 660.469 pacientes recuperados, enquanto os Estados Unidos somam 656.161. A Rússia está em terceiro lugar e registra 374.557 pessoas que foram contaminadas, mas não apresentam mais sintomas da doença.

Lançado em 22 de janeiro de 2020, o painel dinâmico mantido pela universidade recebe dados médicos de todos os 188 países signatários da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de vários centros secundários de atendimento médico.

Os números são atualizados constantemente. “A disponibilidade de dados epidemiológicos precisos e robustos em uma epidemia é um guia importante para decisões sobre saúde pública. O arquivamento consistente de informações é importante para entender a transmissibilidade, o risco de alastramento geográfico, as rotas de transmissão e os fatores de risco”, afirma o artigo científico que explica o funcionamento da ferramenta, publicado na revista médico-científica britânica The Lancet.

CONTAMINAÇÕES
O mapa mostra também que São Paulo é o segundo estado mais afetado do mundo, com 238.822 casos confirmados de covid-19.

Em primeiro lugar, aparece Nova York, que tem 390.415 pessoas contaminadas com a doença.

De acordo com o levantamento da Johns Hopkins e a evolução do novo coronavírus, o mundo deve ultrapassar a marca de 10 milhões de casos confirmados nos próximos dias.

O número de mortes também cresce no mesmo ritmo, com 484.155 registradas até o momento em decorrência de complicações geradas por covid-19.

SITUAÇÃO EM SÃO PAULO
Nesta quarta-feira (24) o Estado de São Paulo registra 13.352 óbitos e 238.822 casos confirmados do novo coronavírus. Entre as pessoas diagnosticadas com a COVID-19, 40.014 foram internadas, curadas e tiveram alta hospitalar.

Dos 645 municípios, houve pelo menos uma pessoa infectada em 612 cidades, sendo 345 com um ou mais óbitos.

As taxas de ocupação dos leitos de UTI são de 67,9% na Grande São Paulo e 65,5% no Estado. O número de pacientes internados é de 14.002, sendo 8.547 em enfermaria e 5.455 em unidades de terapia intensiva, conforme dados das 10h30 da manhã de hoje.

Beto Silva

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

17 − 7 =