Piracicaba bate recorde de infectados de covid-19; são 22 em 24 horas

De 1º de abril a 12 de maio a tenda de triagem atendeu cerca de 3.500 pessoas (Foto: Amanda Vieira/JP)

Piracicaba bateu ontem o recorde de novos diagnósticos de coronavírus. De acordo com os dados divulgado pela Secretaria de Saúde, o município registrou 22 casos positivos da doença, quase um infectado por hora nas últimas 24 horas. Com isso, a cidade registra 243 casos positivos de covid-19. No último mês, os diagnósticos aumentaram quase dez vezes. Há 30 dias, o número registrado de doentes era 25.

A pasta também confirmou ontem a 17ª vítima fatal. Trata-se de um idoso de 78 anos, morador do Lar Betel. A entidade contabiliza agora nove mortes por coronavírus.

No balanço divulgado nesta quarta-feira, Piracicaba tem ainda 136 casos suspeitos, 128 pacientes recuperados e 690 diagnósticos descartados para a Covid-19.

CASOS DOBRAM NO ESTADO
O número de mortes pelo novo coronavírus no Estado de São Paulo chegou a 4.118 nesta quarta-feira, dobrando em apenas duas semanas – eram 2.049 no dia 28 de abril.

A cada dez vítimas fatais da Covid-19, pelo menos sete tinham 60 anos ou mais. Por outro lado, este grupo representa apenas 21% do total de casos confirmados, que predominam entre os não idosos. Das 51.097 pessoas infectadas em São Paulo, 78% eram crianças, jovens ou adultos com até 59 anos.

Até o momento, 434 municípios tiveram pelo menos um caso confirmado e houve no mínimo uma morte em 192 cidades, entre as 645 que integram o Estado.

As internações também têm crescido. Hoje, são 9,6 mil pacientes internados em SP, sendo 3.702 em UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e 5.950 em enfermaria. Quinze dias atrás, eram cerca de 8 mil.

A taxa de ocupação dos leitos de UTI reservados para atendimento a Covid-19 é de 68,3% no Estado de São Paulo e 87,2% na Grande São Paulo. 

CENTRO DE TRIAGEM
O Centro de Triagem do Coronavírus, que funciona desde o dia 1º de abril ao lado da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Piracicamirim – Rua Rio Grande do Norte, 135 –, realizou até esta terça-feira cerca de 3.500 atendimentos – média diária de 85 atendimentos.

Do total, 76,24% são adultos (entre 12 e 60 anos) – 2.632 pessoas, 15% idosos (518) e 8,72% crianças (menores de 12 anos) – 302 pessoas. O balanço se refere aos atendimentos realizados do dia 1º de abril até a última terça-feira.

A maior procura pelo serviço ocorre durante o dia, das 6h às 18h (2.446) e o menor fluxo, durante a madrugada (138). Das 18h às 24h, foram atendidos 894 pessoas. No último balanço divulgado pela Secretaria de Saúde no dia 30 de abril, 2.600 pessoas haviam sido atendidas.

Do total atendido até o momento, 143 pacientes foram encaminhados ao Hospital Regional, Santa Casa e HFC (Hospital dos Fornecedores de Cana), classificadas como casos de urgência, porque apresentavam SRAG – Síndrome Respiratória Aguda Grave – ; 14, para outras UPAs, para receberem atendimento adequado relativo a patologias diversas, e 133 tiveram alta médica.

De acordo com a superintendente do setor de urgência e emergência da Prefeitura, Flávia Sá Molina, os casos que exigem atenção especial são encaminhados aos hospitais e assim que recebem alta, passam a ser monitorados em suas respectivas casas, via telefone, por profissionais da Vigilância Epidemiológica.

CASOS LEVES SÃO MAIORIA
“Os casos de síndrome respiratórias que não exigem hospitalização, também são medicados e encaminhados para acompanhamento dos profissionais da Atenção Básica. Já os casos leves, que são a maioria, são medicados e orientados para que fiquem em casa”, explicou Flávia.

A UPA Piracicamirim foi escolhida para ser a porta de entrada exclusiva na rede pública de pacientes com problemas respiratórios. Por isso recebeu a tenda anexa, aberta, para evitar contágio, com 200 metros quadrados cobertos, proteção lateral e piso adequado.

A função da unidade é dar suporte ao trabalho dos médicos e enfermeiras que estão na linha de frente durante a pandemia da Covid 19.

COMUNIDADES CARENTES
O Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto) projetou e está instalando lavatórios nas comunidades carentes de Piracicaba.

O objetivo é aumentar o acesso dos moradores à água corrente para higienização das mãos, principalmente devido a pandemia do novo coronavírus.

Na última terça-feira foram instalados lavatórios em três comunidades: Caiuby, Precisão e Três Porquinhos, beneficiando mais de 260 famílias no total. Mais 21 comunidades serão beneficiadas com os lavatórios, segundo informou a autarquia.

“Foram instalados na entrada comunidade os lavatórios e nós só temos a agradecer, pois vai ajudar muito a higienização de quem chega e de quem sai da comunidade a manter as mãos limpas e evitando espalhar o coronavírus”, declarou Ivani Aparecida Assumpção, líder comunitária da comunidade Três Porquinhos.

A ação foi alinhada em parceria com a Emdhap (Empresa Municipal de Desenvolvimento Habitacional de Piracicaba), Smads (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social) e Secretaria Municipal de Saúde, devido a importância do saneamento básico na prevenção de doenças, sobretudo, diminuir a propagação do Covid-19.

As próximas instalações de lavatórios devem ocorrer nas comunidades Sabiá, Santo Antônio, Portelinha, Belvedere, Esperança, rua Arthur Madeira, Algodoal, Nova Paulista, Pereirinha, Vitória, Pantanal, Vila Maria e outras a definir.

“Nosso objetivo é levar saneamento básico para todas as comunidades. Isso já vem ocorrendo com o projeto de urbanização. A instalação dos lavatórios é mais uma ação para proporcionar qualidade de vida à população em vulnerabilidade social, que é na verdade quem mais está sofrendo com os efeitos da pandemia. A higienização das mãos, conforme determina a OMS (Organização Mundial da Sáude), é a principal ação para evitar a disseminação do Covid-19”, explicou o presidente do Semae, José Rubens Françoso.

Segundo o prefeito Barjas Negri, ações como essas garantem os cuidados necessários para conter a epidemia. “A Prefeitura de Piracicaba está atenta e trabalhando de maneira efetiva para proteger toda a população piracicabana. A instalação desses lavatórios é uma medida importantíssima para a higienização das mãos nessas comunidades”, afirmou.

Beto Silva