Piracicaba chega a 160 mortos e quase 6 mil infectados por covid-19

Entre sábado e ontem, Piracicaba diagnosticou 561 novos casos de pessoas infectadas (Foto: Amanda Vieira/JP)

Após uma semana com 36 mortes por covid-19, Piracicaba registrou ontem apenas um óbito pela doença. Já os diagnósticos positivos seguem aumentando diariamente. Só nesta segunda-feira foram diagnosticados mais 146 casos, totalizando 5.967 infectados e 160 mortos.

Entre os pacientes diagnosticados ontem estão 76 homens com idades entre dez e 83 anos e 67 mulheres de três a 89 anos de idade. Um adolescente de 16 anos morreu vítima de covid-19 em Piracicaba.

CRÍTICAS
Durante entrevista a uma emissora de TV na última sexta-feira, o prefeito Barjas Negri (PSDB) criticou o Governo Federal no enfrentamento da doença. Ele disse que, pela sua experiência no Ministério da Saúde (2002 – 2003) faltou coordenação para evidenciar a pandemia de covid-19 no país e considerou como lamentável a troca de ministros no início da pandemia.

O tucano também cobrou uma campanha nacional de orientação à população sobre a doença pelo órgão federal que, segundo ele, dispõe de recursos suficientes para comunicar e orientar a sociedade nesses casos.

BRASIL
Na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada no início da noite de ontem (20), consta que foram registradas 632 novas mortes por covid-19 entre ontem(19) e hoje, totalizando 80.120. O balanço apresenta também 20.257 novos casos confirmados de covid-19 nas últimas 24 horas. No total, 2.118.646 pessoas foram diagnosticadas com a covid-19 no Brasil desde o início da pandemia e 1.409.202 se recuperaram da doença. De acordo com o Ministério da Saúde, 629.324 pacientes estão em acompanhamento. Há ainda 3.946 óbitos em investigação.

NOS ESTADOS
Os estados com mais registro de mortes por covid-19 são: São Paulo (19.788), Rio de Janeiro (12.161), Ceará (7.185). Já os estados com mais casos confirmados desde o início da pandemia são: São Paulo (416.434), Ceará (147.566), Rio de Janeiro (141.005).

COVID-19 NO ESTADO SP
O Estado de São Paulo registrou ontem (20) 19.788 óbitos e 416.434 casos confirmados do novo coronavírus. Dos 645 municípios, houve pelo menos uma pessoa infectada em 637 cidades, sendo 432 com um ou mais óbitos. Entre o total de casos diagnosticados de covid-19, 282.391 pessoas estão recuperadas, sendo que 59.210 foram internadas e tiveram alta hospitalar.

As taxas de ocupação dos leitos de UTI são de 64,9% na Grande São Paulo e 66,8% no Estado. O número de pacientes internados é de 14.598, sendo 8.746 em enfermaria e 5.852 em unidades de terapia intensiva, conforme dados das 10h de ontem.

MORTALIDADE
Entre as vítimas fatais estão 11.423 homens e 8.365 mulheres. Os óbitos continuam concentrados em pacientes com 60 anos ou mais, totalizando 74,8% das mortes.  Entre as pessoas que já tiveram confirmação para o novo coronavírus estão 196.342 homens e 218.382 mulheres. Não consta informação de sexo para 1.710 casos.

A faixa etária que mais concentra casos é a de 30 a 39 anos (100.685), seguida pelas faixas de 40 a 49 (90.283), 50 a 59 (64.739), 20 a 29 (64.024).

VACINA
A vacina chinesa contra o novo coronavírus, chamada de CoronaVac, começou a ser testada ontem em voluntários brasileiros. O medicamento será aplicado em 890 voluntários da área da saúde do Hospital das Clínicas, na Capital.

A vacina será aplicada em duas doses. A outra dose será aplicada após 14 dias. Os pesquisadores do Hospital das Clínicas vão analisar os voluntários em consultas que são agendadas a cada duas semanas. A estimativa é concluir todo o estudo da fase 3 de testes em até 90 dias.

Ao todo, os testes com a CoronaVac serão realizados em nove mil voluntários em centros de pesquisas de seis estados brasileiros: São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná. A pesquisa clínica será coordenada pelo Instituto Butantan e o custo da testagem é de R$ 85 milhões, custeados pelo governo.

Segundo o governador de São Paulo, João Doria, a vacina, caso seja aprovada, será destinada a todos os brasileiros.

As doses da vacina chegaram nesta madrugada no Aeroporto Internacional de Guarulhos. Esta vacina contra o coronavírus é desenvolvida pela Sinovac, sediada na China, e tem parceria com o Instituto Butantan. A carga inicial com 20 mil doses da vacina está aguardando liberação pela alfândega. Depois disso, o medicamento será inspecionado na sede do instituto. Em seguida, será distribuída aos 12 centros de pesquisa que serão responsáveis pelo recrutamento, aplicação e acompanhamento dos voluntários.

CORONAVAC
A CoronaVac é uma das vacinas contra o novo coronavírus em fase mais adiantada de testes. Ela já está na terceira etapa, chamada de “etapa clínica”, onde é feita a testagem em humanos. O laboratório chinês já realizou testes do produto em cerca de mil voluntários na China nas fases 1 e 2.

Antes, o modelo experimental aplicado em macacos apresentou resultados expressivos em termos de resposta imune contra as proteínas do vírus.

A vacina é inativada, ou seja, contém apenas fragmentos inofensivos do vírus. Com a aplicação da dose, o sistema imunológico passaria a produzir anticorpos contra o agente causador da covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus.

Beto Silva

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

1 + 17 =