Piracicaba confirma 2º caso de coronavírus; na Região já são cinco infectados

Secretaria Municipal de Saúde segue com vacinação contra a gripe para idosos (Foto: Amanda Vieira/JP)

A Secretaria de Saúde de Piracicaba confirmou ontem o segundo caso positivo de paciente com coronavírus. Segundo a pasta, o paciente é um jovem, de 22 anos, que estuda em São Paulo, contraiu a doença na capital, diagnosticada no Hospital Albert Einstein. A família do rapaz mora em Piracicaba. A prefeitura informou que ele está em isolamento domiciliar em São Paulo, onde mora, e o estado de saúde é estável.

O caso entrou para a estatística local de coronavírus positivo pelo fato de os pais residirem em Piracicaba, onde seria a residência oficial do paciente, para o Ministério da Saúde.



Com o segundo diagnóstico positivo em Piracicaba, sobe para cinco o número de casos positivos do Covid-19 na região. Ontem, Rio Claro registrou o primeiro caso da doença, segundo informou o governo estadual.

De acordo com coordenador do Centro de Vigilância em Saúde de Piracicaba, Moisés Taglieta, “a estatística de Piracicaba contabiliza agora o segundo caso confirmado da doença Covid-19 por questão de registro no banco de dados da Vigilância Epidemiológica, ou seja, vincula-se o caso a Piracicaba apenas por registro técnico de controle, mas o paciente não contraiu a doença na cidade”.

O secretário de Saúde de Piracicaba, Pedro Mello, reforçou que o momento é de atenção e a população precisa continuar em regime de isolamento social. “Vamos manter a determinação do governo estadual e municipal de permanecer em casa, sem contato social. Só assim conseguiremos reverter a curva de crescimento da doença no Estado e no país”, afirmou.

NO ESTADO E PAÍS
A Secretaria de Estado da Saúde registrou ontem um total de 48 óbitos relacionados ao coronavírus. Todos ocorreram na Grande São Paulo.

Os oito novos óbitos confirmados desde anteontem ocorreram na Capital. Foram seis homens (75, 82, 72, 98, 80 e 70 anos) e duas mulheres, de 87 e 52 anos; esta última tinha comorbidades, grupo de pessoas que, assim como os idosos, configuram grupo de risco.

Entre o total de mortes registradas até o momento, 45 ocorreram em hospitais privados e três em hospitais do SUS (Sistema Único de Saúde). O Estado também registra 862 casos confirmados.

Já no país, o número de mortes decorrentes do novo coronavírus chegou a 57, conforme atualização do Ministério da Saúde publicada ontem. Pela primeira vez desde o início da pandemia, foram registradas mortes fora dos epicentros do surto no país, São Paulo e Rio de Janeiro. Falecimentos em razão da Covid-19 ocorreram em Pernambuco, no Rio Grande do Sul e no Amazonas.

O total de mortes marca um aumento de 11 em relação a ontem, quando a contabilização marcava 46 vítimas que vieram a óbito por conta da infecção. Na segunda-feira, eram 25 falecimentos.

Do total, 48 foram em São Paulo, seis no Rio de Janeiro, uma no Amazonas, uma no Rio Grande do Sul e uma em Pernambuco. O total de casos confirmados saiu de 2.201 na terça-feira para 2433 casos. O resultado de ontem marcou um aumento de 28% nos casos em relação ao início da semana, quando foram contabilizadas 1.891 pessoas infectadas.

Como local de maior circulação do novo coronavírus no país, São Paulo também lidera o número de pessoas infectadas, com 862 casos confirmados. Em seguida, o Rio de Janeiro (370), Ceará (200), Distrito Federal (160), Minas Gerais (133) e Rio Grande do Sul (123).

Também registram casos confirmados Santa Catarina (109), Bahia (84), Paraná (81), Amazonas (54), Pernambuco (46), Espírito Santo (39), Goiás (29), Mato Grosso do Sul (24), Acre (23), Sergipe (16), Rio Grande do Norte (14), Alagoas (11), Mato Grosso (oito), Maranhão (oito), Piauí (oito), Roraima (oito), Tocantins (sete), Pará (sete), Rondônia (cinco), Paraíba (três), e Amapá (um).

O Ministério da Saúde recomenda isolamento a quem apresenta sintomas da covid-19 e a moradores da mesma residência do paciente sintomático, bem como a idosos acima de 60 anos, pelo prazo de 14 dias. Uma vez terminado esse período, não haveria mais necessidade da medida, a não ser em casos de uma condição médica específica.

MERENDA EM CASA
Após a presidente da Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), a deputada estadual Professora Bebel (PT), denunciar o corte no fornecimento de merenda nas escolas estaduais, o governador João Doria (PSDB) anunciou ontem que será fornecido às famílias de alunos da rede estadual, um vale mensal no valor de R$ 55 a partir do próximo mês.

“É como digo sempre, lutar vale a pena”, escreveu a deputada em suas redes sociais, destacando que no último dia 18, o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, publicou a resolução SE 27, que suspendeu contratos de prestação de serviços, entre eles o que viabiliza a alimentação escolar.

Bebel endereçou ofício ao secretário e foi até a Secretaria Estadual de Educação na semana passada, onde retornou na terça-feira, cobrando, entre outros pontos relacionados à educação estadual, a retomada da merenda escolar. Em Piracicaba cerca de 60 mil alunos na rede estadual de ensino usufruem deste benefício.

Ontem pela manhã, o governador João Doria anunciou o lançamento do programa Merenda em Casa, que vai oferecer a alimentação para 700 mil estudantes matriculados na rede estadual de São Paulo. O valor do investimento é de R$ 40,5 milhões por mês e chegará a mais de 20% dos 3,5 milhões de alunos da rede.

Segundo o Governo do Estado, a medida de caráter emergencial ocorre em virtude da suspensão das aulas em todas as 5,4 mil escolas da rede estadual de São Paulo desde segunda-feira (23), como forma de conter a propagação do novo coronavírus.

“A medida vai perdurar enquanto as aulas estiverem suspensas. É uma medida protetiva, de atenção às famílias e às crianças mais vulneráveis do nosso Estado. O valor é suficiente para comprar uma cesta básica”, afirmou Doria.

Serão beneficiados os estudantes cujas famílias recebem o Bolsa Família, bem como aqueles que vivem em condição de extrema pobreza, de acordo com o Cadastro Único do Governo Federal.

O valor de R$ 55 por estudante será disponibilizado às famílias para a compra de alimentos a partir de abril. Os repasses serão oferecidos enquanto as aulas seguirem suspensas nas escolas.

“Além de um direito, a merenda escolar é uma garantia de capacidade para o pleno desenvolvimento dos estudantes”, disse o Secretário de Estado da Educação, Rossieli Soares.

Para identificar os alunos, haverá um cruzamento de dados entre as bases da Secretaria de Estado da Educação e da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social. Desta forma, as duas Secretarias poderão identificar alunos em extrema pobreza inseridos no Cadastro Único, sejam eles beneficiários do Bolsa Família ou não.

O montante será repassado pela Secretaria da Educação para a Secretaria de Desenvolvimento Social, que por sua vez fará o repasse às famílias. “Esta ação vai evitar, por exemplo, que um aluno que ainda não tenha CPF e seu responsável indicado na matrícula na rede estadual não esteja inserido no Cadastro Único deixe de ser beneficiado”, explicou o Secretário Rossieli Soares.

Beto Silva