Piracicaba é a 2ª do Estado com menor índice de violência

Instituto Sou da Paz mede a exposição a crimes contra vida, patrimônio e dignidade sexual. (Foto: Claudinho Coradini/JP)

A exposição à violência nos municípios paulistas em 2020 teve a maior redução desde o início da série histórica, em 2014, de acordo com a nova edição do IECV (Índice de Exposição aos Crimes Violentos), que mede a exposição à violência nas cidades do Estado de São Paulo com mais de 50 mil habitantes, lançado pelo Instituto Sou da Paz. De acordo com o ranking do instituto, Piracicaba ficou em 2º lugar entre as cidades com menor exposição à violência, com nota 3,12, ficando atrás apenas de Santa Bárbara d’Oeste, que obteve avaliação 2,67.

Enquanto o IECV Dignidade Sexual e o IECV Patrimônio do estado tiveram reduções substantivas em 2020 em comparação com o ano anterior, o IECV Vida, que reflete os homicídios dolosos e latrocínios, registrou seu primeiro aumento desde o início do cálculo do índice.

“Ano de pandemia, 2020 foi um ano muito peculiar e é compreensível a redução da violência contra o patrimônio, por conta da redução da circulação de pessoas, e também os crimes sexuais, já que a maioria desses crimes acontecem em casa e o isolamento social dificulta a denúncia pelas vítimas”, comentou a diretora-executiva do instituto, Carolina Ricardo.

Municípios que estiveram entre os piores IECV em anos anteriores, como Itanhaém e Mongaguá, permaneceram nas piores posições em 2020. Já Santa Bárbara d’Oeste, Piracicaba e São José do Rio Pardo que apresentaram os melhores resultados em edições anteriores seguem entre as cinco menores expostas à violência no estado.

Em Piracicaba, o índice de crimes contra a vida foi de 2,42, o de estupro 3,95, enquanto crimes contra o patrimônio ficou em 3,22.

Para o comandante do CPI9 (Comando de Policiamento do Interior) de Piracicaba, coronel Willians de Cerqueira Leite Martins, essa colocação se deve à interação das forças de segurança da cidade, que inclui a Guarda Civil, Polícia Militar e os poderes públicos, municipal, estadual e federal. Ele traçou um paralelo com a questão da pandemia ao comentar o índice de homicídios que apresentou aumento. “Com as pessoas em casa, o estresse vai aumentando, as situações caseiras como os crimes passionais. Esse tipo de situação é difícil de coibir”, afirmou o comandante acrescentando que a vigilância é constante para manter os índices em patamares aceitáveis.

Beto Silva
[email protected]

LEIA MAIS:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

onze + um =