Piracicaba investiga 3ª morte por febre maculosa do ano

De janeiro a agosto deste ano foram 43 notificações da doença e duas mortes

A Vigilância Epidemiológica de Piracicaba investiga a 3ª morte por febre maculosa ocorrida na cidade neste ano. O óbito sob investigação é de um homem de 66 anos de idade, que morreu dias depois de ser atropelado na avenida Comendador Luciano Guidotti. Elio de Lima era funcionário terceirizado de uma empresa que presta serviços à prefeitura. Na quinta-feira (26) ele trabalhava com a equipe que fazia limpeza da avenida, quando foi atropelado por uma moto. Após o acidente, ele foi socorrido à Santa Casa de Piracicaba e morreu às 9h30 de ontem (31).

A Secretaria de Saúde informou ontem (1) que, a suspeita de febre maculosa, está em investigação e ainda não há confirmação até o momento. Segundo a pasta, de janeiro até 31 de agosto, foram 43 notificações da doença, sendo dois confirmados, 34 descartados, sete suspeitos e duas mortes. De acordo com as informações da pasta, em 2019 foram recebidas 132 notificações de febre maculosa, sendo dez casos confirmados, 122 descartados e cinco mortes pelo agravo da doença. Em 2020, segundo a secretaria, foram 50 notificações, das quais seis foram confirmados, 44 descartados e quatro evoluíram para óbito.

ALERTA A Secretar ia de Saúde orienta a população sobre a febre maculosa. Muito comum entre os meses de abril e outubro, a doença é transmitida pela picada do carrapato estrela, que nesta época do ano se encontra na forma conhecida como vermelhinho (filhote em formato de larva). De acordo com informações da pasta, pessoas que frequentaram nos últimos 15 dias locais que possam ter carrapatos – como pastos, margens de rio, terrenos com mato, áreas com capivaras ou qualquer área infestada pelo inseto – devem procurar uma unidade de saúde mais próxima caso apresentem sintomas como febre moderada ou alta, dor de cabeça, dores no corpo e manchar no corpo, principalmente na palma da mão e planta dos pés. É fundamental que nos casos acima a pessoa informe que frequentou os locais de risco e que foi ou pode ter sido picado pelo carrapato.

Beto Silva

[email protected]

Leia Mais:

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

três × 2 =