Piracicaba perdeu 1.741 empregos em maio

No total 1.559 admissões ante 3.300 desligamentos (Foto: Claudinho Coradini/JP)

O mês de maio foi novamente negativo para vagas de emprego em Piracicaba. De acordo com os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgado pelo Ministério da Economia, a cidade fechou o quinto mês do ano com saldo negativo de 1.741 empregos.

O fechamento de 1.677 postos de trabalho já havia ocorrido no mês de abril.  O saldo negativo do último mês é resultado da diferença entre desligamentos e admissões no período. Em maio foram 1.559 admissões ante 3.300 desligamentos, o que, resultou no saldo de 1.741 empregos a menos.

O levantamento do cadastro mostra que os setores de serviços e a indústria na cidade foram os que mais contabilizaram demissões no período, com saldo negativo de 1.029 e 475 postos de trabalho respectivamente.

A área de serviços contratou 525 trabalhos e demitiu 1.554 em maio, enquanto a indústria admitiu 300 e desligou 775.

O comércio, entre os principais setores, teve saldo negativo de 226 postos de trabalho, com 464 contratações e 690 demissões.

Já a construção civil teve contabilizadas um total de 151 admissões e 226 desligamentos, resultando em menos 75 postos, enquanto a agropecuária foi o único segmento que manteve saldo positivo (64 novos postos) no período, registrando 119 admissões e apenas 55 demissões.

Segundo o presidente da Acipi (Associação Comercial e Industrial de Piracicaba), Luiz Carlos Furtuoso, o saldo negativo nos empregos da cidade já era esperado, devido ao cenário de pandemia. “O momento de incertezas e dificuldades por conta da mudança ocasionada pela pandemia impacta diretamente a economia”, pontuou.

“O fechamento dos segmentos não essenciais por um período refletiu nesses números. O novo fechamento agora, pelo fato de Piracicaba ter regredido no plano de combate à Covid-19 deve também trazer resultados negativos nos próximos meses. É um momento muito difícil para todos. Temos de unir esforços em todos os sentidos para que os impactos possam ser os menores possíveis e se estendam pelo menor tempo”, acrescentou.

No país, os índices de emprego também apresentaram saldo negativo. Foram 703.921 demissões ante 1.035.822 desligamentos, o que, portanto, resultou em uma perda de 331.901 empregos no período, segundo o Caged.

Beto Silva