Piracicaba promete participação robusta em evento mundial de lives

Inscrições também pelo Instagram @makemusic.piracicaba (Foto: Claudinho Coradini/JP)

Lançado na França em 1982 como a Fête de la Musique (Festa da Música), o Make Music Day ganha novos contornos em 2020 diante de um momento único da indústria cultural em meio à pandemia da covid-19. Este ano, o conteúdo será basicamente de lives, seja shows, performances, aulas de música, jam sessions ou qualquer improviso sonoro. A Festa Mundial da Música acontece no domingo (21), e Piracicaba está entre as mais de 1.000 cidades em 120 países engajadas na ação. A edição local tem curadoria do jornalista Maurício Ribeiro e apoio da SemacTur (Secretaria da Ação Cultural e Turismo).

As inscrições podem ser feitas até o dia 15 de junho, conta Ribeiro. Para participar, os artistas interessados devem entrar em contato via WhatsApp pelo número (19) 98243.8817 ou pelo Instagram @makemusic.piracicaba. Qualquer pessoa pode enviar material.

O requisito mínimo, ele destaca, é ter um canal de mídia na internet, que pode ser um perfil no Facebook, uma fanpage, um canal no YouTube ou uma conta no Instagram. “Se a família quiser projetar o bebê batendo panela, está valendo. É democracia musical na forma mais plena!”, comenta o jornalista.

Seu papel, explica, é coletar as inscrições e viabilizar a publicidade das lives, além de alimentar a agenda mundial com as participações de Piracicaba e cidades satélites. “Teremos uma agenda mundial onde os talentos de Piracicaba vão figurar, e temos nosso Instagram local onde já estamos divulgando as apresentações”, revela.

Segundo a assessoria da SemacTur, diversas atrações locais já confirmaram presença nas redes, como o pianista Daniel Rosenthal, o baterista Marcelo Seghese, a cantora Lavynia Benatto, o trombonista Eloy Porto Neto, o Coro Graça, o duo Lucas & Karina e o sertanejo Renne Andrade; dentre outros.

“Na verdade não há uma escolha, mas uma organização. Quanto mais gente vier, mais gente vai participar. O Make Music sempre foi muito democrático, a pessoa nem precisa ser profissional. Basta gostar de fazer um sol, instrumental ou vocal. Esse ano, o palco é a casa, e a internet vai levar a arte piracicabana para os quatro cantos do mundo”, conta Ribeiro.

Coordenador local do Make Music, o jornalista Mauricio Ribeiro conheceu a ação em 2018. De lá pra cá, ele vem observando uma participação muito tímida da cidade, com poucas e pontuais ações; mas que neste ano por conta do contexto da epidemia tendem a se intensificar. “As lives estão em alta, e o uso de plataformas digitais para democratização dos meios de cultura mudará drasticamente a forma como fazemos arte dentro daquilo que estamos chamando de ‘novo normal’; e o Make Music acabou ganhando força nessa tendência”, avaliou.

Para ele, o Make Music traz uma enorme carga motivacional para quem faz arte. “A equipe organizadora, da qual faço parte, tem um grupo no WhatsApp que tem movimento intenso o dia inteiro, de tantas ideias que estão surgindo e de tão animados que os artistas estão. Fazendo uma análise um tanto intuitiva do momento, a mídia virtual veio para se consolidar de vez”.

Erick Tedesco