Piracicaba registra mais 2 mortes e 27 novos infectados em um dia

Reportagem do JP registrou nesta terça-feira grande movimento na rua Governador Pedro de Toledo, no Centro (Foto: Amanda Vieira/JP)

Piracicaba registrou ontem mais duas mortes pelo novo coronavírus. A cidade contabiliza agora 19 óbitos pela doença. As estatísticas municipais desta terça-feira registraram o maior numero – até o momento – de novos diagnósticos da covid-19. Segundo o comunicado divulgado ontem pela prefeitura, foram 27 novos casos nas últimas 24 horas.

As vítimas fatais são um homem de 63 anos e uma mulher de 87, eles não eram residentes de asilos, conforme informou a prefeitura.

A cidade registra agora 324 casos confirmados, 89 suspeitos, 841 descartados, 183 pacientes recuperados e 122 pessoas em tratamento.

Nesta terça-feira, o Estado de São Paulo chegou a 5.147 mortes pelo novo coronavírus, com  324 mortes confirmadas nas últimas 24 horas – o maior aumento já registrado de um dia para outro.

Também totaliza 65.995 casos confirmados da covid-19, com um ou mais pessoas infectadas em 479 cidades. Foi registrada pelo menos uma vítima fatal em 219 municípios.

Há 9,5 mil pacientes internados em São Paulo, sendo 3.659 em UTI (Unidade Terapia Intensiva) e 5.902 em enfermaria.  A taxa de ocupação dos leitos de UTI reservados para atendimento a covid-19 é de 71,4% no Estado de São Paulo e 88% na Grande São Paulo.  

FERIADOS ANTECIPADOS
A respeito das informações sobre antecipação de feriados, a Prefeitura de Piracicaba emitiu comunicado explicando que o prefeito da capital São Paulo, Bruno Covas, onde está o epicentro do novo coronavírus, aprovou lei municipal antecipando dois feriados, a partir desta quarta-feira. “Essa lei não aplica ao município de Piracicaba”, afirmou a prefeitura.

O comunicado segue informando que governador do Estado, João Doria, propôs à Assembleia Legislativa, projeto de lei que antecipa o feriado de 9 de julho para a próxima segunda-feira, dia 25.

“Se a propositura for aprovada, será feriado na próxima segunda-feira (25) em todos os 645 municípios do Estado, incluindo Piracicaba”, informou a administração acrescentando que, na cidade, o funcionamento dos serviços essenciais, da prefeitura, das empresas será normal nesta quarta, quinta e sexta-feiras e também no sábado.

PROPOSTA APROVADA
A Câmara de Vereadores de Piracicaba aprovou o projeto de emenda à Lei Orgânica, de autoria do vereador Laércio Trevisan Jr. (PL), que dá autonomia municipal na decisão sobre a abertura das atividades comerciais durante epidemias e pandemias.

A emenda foi promulgada ontem pela Câmara de Vereadores e publicada no Diário Oficial do Município.

A votação em segunda discussão ocorreu durante a 7ª reunião ordinária, na noite desta segunda-feira (18).

A matéria foi discutida em plenário em 1º turno no último dia 4. Como ocorreu na votação em primeira discussão, o debate em torno de novas medidas para mitigar os efeitos da pandemia na economia local dominou a reunião extraordinária.

O primeiro a discutir foi o vereador Laércio Trevisan Jr. (PL), autor da proposta, que voltou a defender a flexibilização de setores do comércio, “que precisam atender a população”.

O parlamentar se respalda na decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que reconhece a autonomia de estados e municípios na orientação ao funcionamento de atividades comerciais.

18 VOTOS
“Eu acho que não há mais dúvida nenhuma que o caminho é esse (abrir o comércio), tomando as atitudes preventivas. Não se vive sem emprego”, defendeu.

Na sequência, foi a vez do vereador Paulo Serra (Cidadania) defender a proposta. Baseado em estudo apresentado pelo prefeito da cidade de Nova York, nos EUA, em que a maioria dos infectados estaria dentro da própria casa, o parlamentar adverte a necessidade de buscar o que chamou de “isolamento inteligente”, o que seria mais brando e menos danoso à atividade comercial.

Serra disse que as projeções iniciais da covid-19, de que o isolamento social considerado radical seria a única forma de deter o novo coronavírus, foram feitas a partir de cálculo matemático, “o que é diferente de uma conclusão epidemiológica”, disse, ao defender que, independente do tipo de isolamento, todos países teriam tendência de queda semelhante.

Também defensor da aprovação da proposta, o vereador Lair Braga (Solidariedade) disse que, com a alteração da Lei Orgânica, a Câmara oferece ao prefeito Barjas Negri (PSDB) um instrumento legal para decidir em torno destas questões durante a pandemia no município.

“Eu perguntei se ele flexibilizaria o comércio, mas ele disse que obedece a um decreto do Governo do Estado de São Paulo, então, agora é direito dele adotar ou não”, disse.

Único voto contrário à proposta – que recebeu 18 favoráveis –, a vereador Nancy Thame (PV) lembrou que a aprovação da lei pode ser “inócua”, já que pode ser contestada na Justiça, tornando toda a votação sem efeito. Ela sugeriu, porém, que a Câmara “contribua de uma outra forma”, disse, ao apresentar como proposta a criação de comitê emergencial que possa reunir as diversas forças do Município com o objetivo de buscar soluções à situação.

“Muitos países estão reabrindo o comércio e as pessoas não vão, porque elas têm medo. Por isso, entendo deveria ter esse comitê emergencial, em que possamos contribuir com um plano municipal, porque é isso que está faltando, tanto aqui quanto no plano federal”, disse.

Beto Silva